Advogada de Pedro Dias deverá recorrer da decisão do Tribunal da Guarda

Mónica Quintela, advogada de Pedro Dias, admitiu que «em princípio» a sua equipa irá «interpor recurso da decisão» por não concordar «com algumas das qualificações» dos crimes de homicídio. «O tribunal não encontrou um móbil [para alguns dos crimes]. Não deixa de ser curioso que a pena parcelar para o homicídio do militar Caetano seja 21 anos, ou seja, menor do que os 22 anos pela morte dos civis. Logo, o tribunal encontrou ali dúvidas sobre o que espoletou os acontecimentos», afirmou.
Pedro Proença: “25 anos é o mínimo que ele devia receber”
O advogado dos dois militares da GNR, Pedro Proença, disse que era esta a decisão que esperava do Tribunal. «25 anos é o mínimo que este indivíduo devia receber», declarou, apelando a que se revejam as molduras penais de alguns crimes. Acrescentou que o seu cliente, o militar António Ferreira, se sente «confortado» pelo facto de a versão apresentada por Pedro Dias não ter vingado. «Ficou provado que ele não é a pessoa que foi traçada aqui por Pedro Dias», frisou.
Tiago Gonçalves, advogado de Lídia da Conceição, disse estar satisfeito com as decisões relativas à sua cliente. «Os crimes foram provados», disse, acrescentando que a indemnização lhe parece «justa e adequada».

Comentar

. logged in para comentar.

Artigos relacionados

SiteLock

Voltar para o topo

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close