Atleta corre 24 horas seguidas na Serra da Estrela para ajudar na reflorestação

O atleta de ‘trail’ Armando Teixeira vai, durante 24 horas contínuas, em 1 e 2 de Maio, fazer um quilómetro vertical na Serra da Estrela e por cada subida e descida angariar uma árvore para plantar. Na iniciativa KmVertical, o atleta de corridas de natureza pretende fazer o maior número de vezes o trilho de 3.700 metros, que corresponde a um quilómetro na vertical, entre Alvoco da Serra, no concelho de Seia, e a Torre.

Ultrapassar o cansaço, as dores musculares e a dureza do percurso vão ter um incentivo especial para Armando Teixeira, que leva na mochila o desejo de “contribuir com algo significativo” para uma zona “muito fustigada pelos incêndios” florestais.

“Além do desafio pessoal de estabelecer a distância mais rápida conhecida do percurso em 24 horas, quero sensibilizar para a sustentabilidade da Serra da Estrela, tão castigada pelo flagelo dos incêndios, para a questão ambiental”, disse à agência Lusa o atleta.

A corrida tem início às 16:00 de sábado, termina à mesma hora no domingo e pode ser acompanhada, através de câmaras e de sistema de geolocalização, na página www.kmvertical.pt, onde são feitos os donativos e existe um contador com o número de árvores angariadas, um euro por cada.

O valor conseguido será para ajudar na plantação de 1200 medronheiros e sobreiros que o Movimento Estrela Viva tem agendada para Outubro e Novembro “naquela encosta ardida”, onde “o terreno não retém a água e os solos ficam cada vez mais áridos”, explica Joana Viveiro, do grupo cívico ambiental, envolvido pela Junta de Freguesia de Alvoco da Serra, parceira da iniciativa.

Com 45 anos e há 12 habituado às corridas por trilhos na natureza e aos desafios que surgem para ultrapassar obstáculos, Armando Teixeira não antevê facilidades. Além das previsões de uma sensação térmica entre 06 e 07 graus Celsius negativos e de vento, é esperada alguma chuva, que pode ser queda de neve, e “o percurso é muito técnico, muito irregular”, numa encosta “exposta, sem protecção”.

No trilho há um “desnível positivo de mil metros”, com “20% a 30% de inclinação”. “Vai ser um nível de dificuldade extremo, pela tecnicidade do percurso, pelo desnível, não tanto pela altitude”, antecipa Armando Teixeira, que espera “ajudar a sensibilizar” para o impacto no ecossistema de ter “uma serra despida”.

Joana Viveiro acentua que não basta comprar as árvores, são necessários outros materiais, e o trabalho do Movimento Estrela Viva não se limita à reflorestação, “é necessário monitorizar”. A representante do movimento de cidadãos elogia iniciativas que promovam a Serra da Estrela “de uma forma global” e aplaude o gesto de Armando Teixeira. “É dar alguma coisa a quem está a tentar fazer alguma coisa pelo território. É deixar uma pegada positiva”, acentua Joana Viveiro.

A representante da Estrela Viva acrescenta que o ‘trail’ dá a conhecer a Serra da Estrela “como um todo”, porque “é importante perceber que a serra não é só neve, que há caminhos e trilhos para usufruir, mas também uma comunidade local e produtos endógenos para conhecer, num espírito de partilha”.

Armando Teixeira quer fazer o que o atraiu na modalidade: desfrutar da “paixão pela montanha” e estar em comunhão com a natureza.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close