Câmara da Guarda aprova orçamento de 45,3 milhões de euros para 2018

A Câmara da Guarda aprovou hoje o orçamento municipal para 2018, no valor de 45,3 milhões de euros, que representa um aumento de cerca de 1,8 milhões de euros relativamente a 2017, com o voto contra da oposição. Segundo o presidente da autarquia, Álvaro Amaro, (PSD), o orçamento para o próximo ano, no valor global de 45.395.638 euros, consagra a integração dos serviços municipalizados de Águas e Saneamento (SMAS).
“É um orçamento que assenta o seu realismo no lado da receita”, disse o autarca aos jornalistas no final da reunião do executivo de hoje onde o documento foi aprovado por maioria com os votos contra dos dois eleitos do PS. Álvaro Amaro referiu tratar-se de um orçamento que representa “a continuidade em relação a eixos importantes da política urbana”, incluindo obras de requalificação urbana e de infraestruturas básicas no meio rural.
Também contempla medidas de atração e de estímulo à economia e apresenta inovação, com um programa de apoio às instituições particulares de solidariedade social e outro de apoio à criação de emprego. O autarca da Guarda referiu que os orçamentos municipais que elaborou no mandato 2013/2017 tiveram graus de execução “sempre superiores a 80%”.
Os vereadores do PS Eduardo Brito e Pedro Fonseca votaram contra o orçamento para 2018 por a maioria PSD manter as mesmas taxas de Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) [0,40%], de IRS [5%] e de Derrama que vigoram em 2017. Os socialistas propuseram “que o IMI baixasse para 0,30%”, que o IRS “passasse para 2%” e que a Derrama “isentasse todas as empresas” com volume de negócios abaixo de 150 mil euros, mas “a maioria não concordou”, segundo Eduardo Brito. O socialista referiu que os eleitos do PS gostariam que a autarquia “desse o exemplo”, reduzindo impostos, e que, se tal acontecesse, os dois vereadores da oposição estariam “disponíveis para alterar o sentido de voto”.
Álvaro Amaro lembrou que o município mantém o “IMI familiar” com redução de 20 euros para famílias com um filho, de 40 euros para famílias com dois filhos e de 70 euros para agregados familiares com mais de três filhos. “Eu espero, durante o mandato, ter possibilidade de baixar as taxas do IMI”, garantiu o autarca social-democrata.

Comentar

. logged in para comentar.

Artigos relacionados

SiteLock

Voltar para o topo

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close