Caso Hotel Turismo: Concelhia do PSD/Guarda desmente PS local

Cresce a polémica em redor da assinatura do contrato de concessão do Hotel Turismo da Guarda, formulado em Lisboa e não na Guarda como o presidente da Câmara da Guarda, Álvaro Amaro, e muitos outros políticos da cidade e da região estavam convictos de que assim aconteceria.
Depois de ontem a Concelhia do PS/Guarda ter referido, em comunicado, que «nenhum contrato de concessão, que fosse incumbência da Secretaria de Estado do Turismo, foi assinado na cidade respectiva», tentando, assim, desmentir o autarca social-democrata Álvaro Amaro que tinha afirmado que «o Governo assinou dois contratos de concessão, no âmbito do programa Revive, em Elvas e nas Caldas da Rainha, não o tendo feito na Guarda por vergonha e falta de respeito institucional». Os socialistas da Guarda referem que nas Caldas da Rainha, «tal como na Guarda, foi assinado o memorando de entendimento do Revive» e que em Elvas «foi o Município – e não o Governo – que lançou o concurso referente ao Convento de São Paulo, uma vez que o imóvel estava concessionado a esta autarquia».
Hoje, a Concelhia do PSD/Guarda vem desmentir os socialistas dizendo, em comunicado, que «tal afirmação falha frontalmente à verdade e é facilmente refutada», tendo em conta as «notícias elaboradas por órgãos de comunicação regionais na sequência da assinatura dos contratos de concessão do Convento de São Paulo em Elvas e do Parque Termal D. Carlos nas Caldas da Rainha [https://gazetacaldas.com/sociedade/pavilhoes-do-parque-ja-foram-concessionados-a-visabeira/ e http://www.perspetiva.com/actual/vila-gale-convento].
«Em ambos os casos os contratos de concessão foram celebrados nas sedes dos municípios que receberão os investimentos feitos ao abrigo do programa “REVIVE” e contaram com uma cerimónia pública e declarações dos diversos intervenientes no final da assinatura», sublinha a Concelhia do PSD, questionando, por isso, «afinal quem mente?».
«Se desconfiávamos que algo podia ter a ver com o facto de não se ter celebrado o contrato na Guarda, o conteúdo do comunicado hoje [ontem] anunciado não deixa grandes margens para dúvidas que assim aconteceu, no que constitui uma forma de fazer política ultrapassada e que já se não utiliza», referem ainda os social-democratas.
E questionam: «De que tem medo o PS local? O imóvel a recuperar está na nossa cidade, a empresa vencedora do concurso é do nosso Distrito, que mais razões seriam necessárias?»
Os social-democratas adiantam que «certo é que, por vergonha ou não, também a Secretária de Estado do Turismo e o Ministro da Economia, cuja presença estava prevista na Guarda nesta segunda e terça-feira para a abertura e encerramento do Fórum de Turismo Interno também cá não compareceram provavelmente com receio de serem confrontados com a forma desajustada do procedimento».
A concelhia social-democrata diz ainda que o PS “bem pretende apagar a imagem que deixou no processo do Hotel Turismo, mas não o conseguirá”.
O PSD recorda que foi o PS – na Câmara Municipal da Guarda e no Governo – que «promoveu o encerramento do Hotel» e «colocou os seus mais de 30 trabalhadores no desemprego». Foi também o PS, segundo a nota, «quem promoveu o vergonhoso leilão do recheio do Hotel Turismo depauperando a história da cidade» e «amputou a Guarda deste seu património durante pelo menos sete anos». «Esses louros podem ficar com eles todos», conclui a Comissão Política de Secção do PSD/Guarda.

Comentar

. logged in para comentar.

Artigos relacionados

SiteLock

Voltar para o topo

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close