Comunidade das Beiras e Serra da Estrela quer aeroporto na região

A concretização de um aeroporto regional é um dos projetos que a Comunidade Intermunicipal das Beiras e Serra da Estrela (CIM-BSE) considera “estruturante” e “essencial” para o desenvolvimento daquela região, afirmou hoje o secretário executivo da organização.
A falar no âmbito da conferência da “Mobilidade à Acessibilidade”, que hoje está a decorrer na Covilhã, António Ruas deu conta de um conjunto de projectos que a CIM-BSE tem inscritos no respectivo plano estratégico no âmbito da mobilidade e que classifica como “essenciais”.
Entre estes está a criação de um aeroporto regional no território – e que à partida poderá ficar localizado na Covilhã – e ao qual se junta a reivindicação da reabilitação da linha férrea e da criação de corredores ferroviários nas linhas da Beira Baixa e Beira Alta, que permitam depois fazer um intermodal ferroviário internacional.
A necessidade da concretização dos túneis da Serra da Estrela e da ligação a Coimbra (através do IC6 e IC7) são outras das obras defendidas por esta estrutura que agrega 15 municípios.
“Pode parecer utopia, mas nós continuamos a dizer que estas infraestruturas são uma mais-valia para o território. Acreditamos que estas infraestruturas podem ser importantes para a alavancagem deste território”, sublinhou.
António Ruas lembrou igualmente que, ao contrário do que se diz recorrentemente, “há ainda muitas estradas para beneficiar” e explicou que a CIM-BSE também pretende implantar uma rede logística de proximidade que agregue entrepostos logísticos e de frio, que permita apoiar os produtores locais e para incrementar a cadeia de valor regional.
A constituição de um parque de máquinas e recursos intermunicipais, a aposta das estratégias digitais ou a promoção das ligações entre os diferentes municípios e a concretização do PAMUS (Plano de Ação para a Mobilidade Urbana Sustentável) que integra medidas concretas para cada concelho são outras das apostas que a CIM-BSE pretende concretizar com o objectivo de contribuir para a atracção de pessoas.
“Tudo faremos para aumentar a mobilidade, mas no sentido de trazer pessoas e não no de levá-las de cá para fora, porque se não conseguirmos trazer pessoas para este território e não começarmos a inverter a desertificação, então falar de mobilidade nem sequer fará sentido”, afirmou o responsável.
Lembrando que entre 2001 e 2014 o território integrante da CIM-BSE já perdeu cerca de 33 mil habitantes (13% da população) e que vive um processo de envelhecimento constante, este responsável sublinhou que é importante inverterem-se as tendências demográficas e voltou a reivindicar a implementação de medidas de discriminação positiva para os Territórios de Baixa Densidade, como sejam a discriminação fiscal.
A CIM-BSE é constituída por 15 municípios: 12 do distrito da Guarda (Almeida, Celorico da Beira, Figueira de Castelo Rodrigo, Fornos de Algodres, Guarda, Gouveia, Manteigas, Meda, Pinhel, Seia, Sabugal e Trancoso) e três do distrito de Castelo Branco (Belmonte, Covilhã e Fundão).
Estende-se ao longo de 16.300 quilómetros quadrados e integra cerca de 266 mil habitantes.

Comentar

. logged in para comentar.

Artigos relacionados

SiteLock

Voltar para o topo

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close