Conselho Nacional do CDS-PP reúne-se hoje para marcar congresso

O Conselho Nacional do CDS-PP reúne-se hoje, em Lisboa, para marcar o 26.º Congresso, que será electivo da liderança, à qual o presidente, Paulo Portas, anunciou já que não se candidatará.

O Conselho Nacional centrista, órgão máximo entre congressos, não deverá ainda definir o quadro da sucessão de Paulo Portas, já que, de acordo com fontes do partido ouvidas pela agência Lusa, o vice-presidente Nuno Melo não deverá esclarecer se protagonizará uma candidatura.

Nuno Melo deverá usar a sua intervenção perante o Conselho Nacional para agradecer publicamente a Paulo Portas, sem um esclarecimento sobre se é ou não candidato. Assunção Cristas, igualmente vice-presidente do partido, também não deverá pronunciar-se sobre uma eventual candidatura da sua parte.

Numa mensagem deixada na sua página de facebook no último dia de 2015, Melo referiu-se às muitas “mensagens de incentivo e apoio recebidas” a “propósito do momento que se vive no CDS” e acrescentava que, independentemente daquela que viesse a ser a sua decisão, se sentia “profundamente grato e honrado”.

Em maio do ano passado, a então ministra da Agricultura deixou nota da sua disponibilidade para liderar os centristas, numa entrevista ao jornal ‘online’ Observador: “Para mim foi claro que estaria ao serviço do partido para aquilo que fosse necessário. Se for necessária para isso [liderança], também estarei”, afirmou.

Paulo Portas anunciou no dia 28 de dezembro perante a comissão política do partido que não se recandidataria à liderança. Aos jornalistas, nessa noite, manifestou-se confiante na nova geração a quem vai passar o testemunho, prometendo isenção na escolha do seu sucessor e revelando que sairia mesmo que o Governo com o PSD tivesse continuado em funções.

“Quero que saibam que se as eleições de 04 de outubro tivessem resultado num novo mandato de Governo da coligação, antes do final eu teria, e sobre isso conversei com o presidente do PSD, com tempo e naturalmente, aberto a sucessão no meu partido”, revelou Paulo Portas, numa declaração em que citou João Paulo II e pediu aos militantes e simpatizantes que não tenham medo da próxima etapa da vida do partido.

“O partido fará com total isenção da minha parte uma escolha de futuro, que deve ter a toda liberdade para se afirmar”, declarou, manifestando “uma grande nova esperança na nova geração do CDS”, à qual “chegou o tempo de, num ciclo político novo, dar grandes responsabilidades”.

Comentar

. logged in para comentar.

Artigos relacionados

SiteLock

Voltar para o topo

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close