Destino

tb_1183

Por mais técnica que surja, por mais revoluções surpreendentes que mudem o mundo, existirão sempre acontecimentos superiores ao Homem, na medida em que ultrapassam o seu controlo. Chama-se Destino ao que acontece sem o nosso parecer, ao que nos acontece. A ordem natural esculpida enigmaticamente por artesãos cósmicos.

Na Mitologia Grega, as Moiras teciam o fio da vida de Homens e Deuses, na Roda da Fortuna, desenhando a sorte de todos. Filhas de Nix, deusa da Noite, estas três irmãs, Cloto, Láquesis e Átropos, decidiam o destino individual dos antigos gregos. Talvez seja a noite a mãe de todos os caminhos.

O Fatalismo, na filosofia greco-romana, explica-nos o modo irrevogável do mundo e dos seus acontecimentos. Regida pelo Logos, a crença na ordem cósmica, a vida quotidiana desenrola-se como está escrita, sem modificação possível. De certo, já ouviram a expressão: “faltal como o destino”. Raciocínio semelhante poderemos também encontrar na Divina Providência, onde a vontade externa, transcendente, designa as ações no mundo. Aqui, na doutrina cristã, a vontade de Deus é aceite, num assimilar de poder supremo – “Seja o que Deus quiser”.

O conceito de Destino é muito antigo e debatido, sendo mote de todas as filosofias que admitem uma ordem necessária do mundo.

Assistimos, nestes tempos presentes, a algo que poderemos associar ao destino. Uma pandemia que nos foge das mãos, que não percebemos bem de onde surgiu, que não podemos fazer desaparecer, ainda. Não a controlamos, não conseguimos mudar o estado de acontecimentos. Talvez seja um meio necessário para o fim que o mundo quer, a ordem. O mundo é maior que os Homens, sabe muito mais que os Homens. Também os Homens são reféns da ordem natural, têm um término, a morte e, dessa, não há como fugir.

Sem sabermos se o Destino é ou não é cego, se a ordem é apenas a repetição de ciclos, o certo é que não temos o controlo de tudo o que acontece nas nossas vidas.

Determinadas situações confrontam-nos com a nossa impotência e ignorância perante o que acontece. Não temos connosco as ferramentas necessárias para dominarmos o mundo e nunca as iremos ter. Somos mortais e essa é a grande frustração da existência humana.

Aceitar que nem tudo é nosso, que há coisas maiores que nós e que o tempo resiste é um grande passo para o Caminho. E que a Sorte seja justa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close