Dia Internacional dos Monumentos e Sítios: TB sugere roteiro pelos sítios e monumentos do distrito da Guarda

SONY DSC

O Terras da Beira associa-se ao Dia Internacional dos Monumentos e Sítios, que se assinala este Domingo, sugerindo monumentos ou sítios de interesse em cada um dos concelhos do distrito da Guarda.

Em Aguiar da Beira, destaque para o Dólmen de Carapito I, um dos mais emblemáticos e imponentes monumentos megalíticos do país cujos importantes resultados dos trabalhos arqueológicos em 1966 o catapultaram para uma projeção internacional que ainda hoje poucos dólmens portugueses possuem.

Em Almeida, merece uma visita Castelo Mendo, que tem como principais monumentos e locais, entre outros, as Portas da Vila, a Igreja de São Vicente, o Solar do Fidalgo, a Igreja de São Pedro, o Pelourinho, o Domus Municipalis, a Porta de Dom Sancho, a Porta da Traição e o Penedo dos Desejos.

Em Celorico da Beira, o Castelo. Erguido num cabeço granítico, no sopé da serra da Estrela, do alto de seus muros avistam-se os vizinhos castelo de Linhares, da Guarda, de Trancoso, o Parque Natural da Serra da Estrela e o rio Côa.

Em Figueira de Castelo Rodrigo, o majestoso Mosteiro Santa Maria de Aguiar, classificado como Monumento Nacional em 17 de dezembro de1932. De salientar ainda a presença de uma imagem de Santa Catarina feita em jade ou pedra ançã do século XVI. Em Portugal são raras as esculturas semelhantes a esta.

Fornos de Algodres é detentor de um vasto património histórico e arqueológico que faz toda a diferença. Dos inúmeros locais a visitar destacam-se a Necrópole das Forcadas e da Tapada do Anjo, a Fraga da Pena, o Castro de Santiago, a Anta de Cortiçô e a da Matança.

A sugestão em Gouveia vai para o Paço de Melo. Trata-se de um imóvel classificado, resistência senhorial dos fundadores de Melo, cuja existência poderá remontar aos séculos XIII/XIV, aquando do regresso do 1º senhor de Melo de Jerusalém

Na Guarda, a Sé Catedral, verdadeiro ícone da cidade, é visita obrigatória. O seu interior, de grande clareza compositiva, é de concepção gótica, merecendo relevo o retábulo monumental do altar da cabeceira, esculpido em pedra de ançã e atribuído à escola de João de Ruão, representando episódios da Vida de Cristo. As suas qualidades construtivas e estéticas fazem deste monumentos um dos maiores de toda a história da arquitectura portuguesa.

Em Manteigas, sigere-se a Capela de Nossa Senhora da Estrela. Situada nas Penhas Douradas, a capela, edificada em 1927, tinha como finalidade receber os mortos vindos do Sanatório de Doenças Pulmonares ali existente.

A aldeia de Marialva é uma das 12 Aldeias Histórias de Portugal e situa-se a poucos minutos da cidade de Mêda. Esta aldeia, uma das relíquias vivas da nossa ancestralidade, transporta-nos às raízes mais profundas da nossa história.

Em Pinhel, destaque para a Igreja e Convento de Santo António, Monumento Nacional de Interesse Público. Trata-se de um conjunto conjunto religioso edificado por alvará de D. João V, de 16 de Fevereiro de 1727. Funcionou durante pouco mais de um século. Um incêndio, ocorrido no século XX, destruiu grande parte das dependências conventuais, restando actualmente a igreja, o clautro e as ruínas do antigo convento.

Em Vilar Maior, no decurso da remoção de um muro existente, identificou-se um conjunto de gravuras numa laje granítica, desobstruída com estes trabalhos, onde destaca um grande motivo quadrangular, que se assemelha a um tabuleiro de jogo. Trata-se do primeiro painel de arte rupestre pré-histórica do concelho do Sabugal.

Em Seia, merece uma visita a Capela de São Pedro, monumento urbano, isolado, quase adossado à torre da Igreja da Misericórdia, de arquitectura religiosa românica com alguns elementos manuelinos e moçárabes. Supõe-se que a época de construção seja do século XII/XIII.

Em Trancoso destaca-se um dos seus maiores legados do património material judaico, a Casa do Gato Preto. O que mais caracteriza este edifício são os elementos esculpidos na fachada principal, que alguns autores interpretam como: as portas de Jerusalém, um pelicano, quatro faces, uma preguiça ou a figura de um judeu entrando na sinagoga e o leão de Judá.

O Povoado pré-histórico do Castanheiro do Vento é um dos sítios de Vila Nova de Foz Côa, mais concretamente em Horta, que merece uma visita. Trata-se de um povoado do Calcolítico e da Idade do Bronze, e que apresenta grandes semelhanças com o sítio do Castelo Velho de Freixo de Numão, embora em maior escala.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close