Filme “A Batalha do Côa – Uma lição portuguesa” vai ser apresentado em Paris

O documentário “La Bataille du Côa – Une Leçon portugaise” [“A Batalha do Côa – Uma lição portuguesa”], do realizador francês Jean-Luc Bouvret, vai estrear-se a 9 de Maio, no cinema Saint-André des Arts, em Paris.
A longa-metragem documental, que vai ser projectada até 05 de Junho nesta sala parisiense, descreve a luta pela salvaguarda das gravuras rupestres do Vale do Côa que, em 1994/1995, estavam ameaçadas pela barragem do Baixo Côa e que foram classificadas, em 1998, como Património Cultural da Humanidade pela UNESCO.
Uma “lição para outros países”, no entender de Jean-Luc Bouvret, que já tinha realizado o documentário “Coa, la rivière aux mille gravures” [“Coa, o rio com mil gravuras”], em 2006, e “Bagarre au Barrage” [“Luta na barragem”], em 2013. “É uma história tão singular que dá lições a muitos outros países ou civilizações na Europa e fora dela. Esta história é portuguesa. Foi Portugal que suspendeu a barragem para salvar as gravuras e é uma lição para todos nós”, disse à Lusa o realizador.
Jean-Luc Bouvret destacou “o valor de exemplo” desta “luta científica e política” que resultou no abandono da barragem e na criação do Museu do Côa e do Parque Arqueológico do Vale do Côa, apontando que, numa das últimas frases do filme, um historiador francês se mostra “muito mais pessimista” sobre o que teria acontecido “se o Côa tivesse sido encontrado em França”.
“Privilegiar a suspensão da barragem para salvar um tesouro cultural é um gesto forte porque mostra que esta cultura é mais importante do que as necessidades económicas e as necessidades do momento”, descreveu o cineasta, recordando que o Vale do Côa é o maior complexo de arte rupestre paleolítica ao ar livre.
O filme defende que “esta luta é um exemplo a seguir” e também mostra “as dificuldades e o preço a pagar” pelo abandono da barragem, com entrevistas a “todos os atores desta história, desde o Presidente da República, ao primeiro-ministro, a responsáveis pelo património, arqueólogos, agricultores e produtores de vinho”.
Jean-Luc Bouvret entrevistou, por exemplo, o antigo Presidente da República Mário Soares que defendeu, no filme, que “o dinheiro que se ganha é importante, mas não é um valor supremo”: “O valor supremo são valores de natureza moral, isto é, os que tenham em vista os superiores interesses da humanidade porque a humanidade somos todos nós, pobres e ricos”.
Há também entrevistas a produtores de vinho, estudantes, antigos autarcas, ao antigo ministro da Cultura Manuel Maria Carrilho, ao antigo presidente da REN José Penedos, ao antigo secretário de Estado Nuno Ribeiro da Silva, e a peritos que participaram na campanha nacional e internacional de apoio às gravuras, como João Zilhão, Paul Bahn, Michel Lorblanchet, Dominique Sacchi.
O documentário recorre, ainda, a arquivos de jornais que relataram o caso em Portugal e no estrangeiro, assim como a reportagens televisivas que mostraram os defensores das gravuras (desde estudantes à comunidade científica), os defensores da barragem (desde habitantes a empresários), os políticos a favor e contra, e o próprio choque de gerações em Foz Côa, num caso que provocou “fissuras em toda a sociedade portuguesa” e que entrou na campanha para as legislativas que levou António Guterres à chefia do Governo, em 1995, e à salvaguarda das gravuras rupestres. Jean-Luc Bouvret deverá apresentar o filme num colóquio em Foz Côa, em Dezembro.

Comentar

. logged in para comentar.

Artigos relacionados

SiteLock

Voltar para o topo

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close