Fundão passa a assumir a presidência da Comunidade Intermunicipal

Está agendada para a manhã de Sexta-feira a passsagem de testemunho da presidência da Comunidade Intermunicipal das Beiras e Serra da Estrela (CIMBSE) da Covilhã para o Fundão. Tal como tinha ficado acordado entre os 15 autarcas da Comunidade a sede ficaria na Guarda e a presidência seria repartida entre Covilhã e o Fundão. A vice-presidência será assumida nos próximos dois anos pelos autarcas de Gouveia e de Celorico da Beira. Nos últimos anos foram vice-presidentes os autarcas de Seia e Sabugal.
O mandato do presidente da Câmara Municipal da Covilhã, Vítor Pereira, ficou marcado por várias divergências entre os autarcas. As negociações para acordar a presidência e a sede foram arrastadas e a eleição dos elementos do secretariado executivo foi controversa. Um dos nomes apresentados pelos autarcas foi chumbado e o outro só passou à segunda eleição. Houve criticas à forma como o processo foi conduzido e de ter sido dado «um mau exemplo» por terem sido dado sinais de divergência, quando nos discursos se apela à união.
O autarca da Covilhã admitiu durante o seu mandato algumas dificuldades em gerir uma Comunidade que resultou da fusão de duas já existentes e onde estão representadas duas forças políticas. Vítor Pereira chegou a refereir que a lei está «formatada para forçar consensos» e por isso não antevê muitas alternativas, estando os autarcas «condenados» a entender-se. Sobre as críticas que foram sendo apontadas, Vítor Pereira considerou serem naturais num processo de aprendizagem, por se tratar de uma «realidade nova» e pelo facto «das pessoas não estarem habituadas a ter relações de trabalho». A CIMBSE é a única estrutura do país que resultou a fusão de duas entidades já existentes.
Em Setembro último, Vítor Pereira defendeu uma revisão da lei das comunidades intermu-nicipais, alegando que tem «contradições insanáveis». «A lei é mal atamancada, cozinhada em vésperas de eleições e em cima do joelho, pelo que redundou numa má lei, que tem contradições insanáveis», sublinhou no final da apresentação pública do Pacto de Desenvolvimento de Coesão Territorial da CIM-BSE, através do qual vão ser candidatados projectos para a região aos fundos comunitários.
O autarca da Covilhã entende que a presidência das comunidades intermu-nicipais deve ser exercida «a tempo inteiro e em regime de exclusividade». Entende que o modelo existente deveria incluir «um leque mais vasto de competências e atribuições que resultem de uma indispensável transferência de soberania dos municípios para a comunidade, bem como de maior capacidade financeira».
A CIMBSE integra os municípios de Almeida, Belmonte, Celorico da Beira, Covilhã, Figueira de Castelo Rodrigo, Fornos de Algodres, Fundão, Gouveia, Guarda, Manteigas, Meda, Pinhel, Sabugal, Seia e Trancoso. Há nove municípios liderados por autarcas socialistas e seis por autarcas do PSD. Os municípios da Guarda e da Covilhã são os que têm maior número de eleitores da CIM. O município da Covilhã tem 51.797 habitantes e 49.773 eleitores. A Guarda tem 42.541 habitantes, num total de 39.965 eleitores. Na lista dos municípios com mais represen-tatividade, em função do número de eleitores, segue-se o Fundão com 28. 906 eleitores e Seia com 24.715. Em termos partidários, o PS lidera em maior número de municípios, sendo de oito para sete lideradas pelo PSD ou em coligação com o CDS-PP.

Comentar

. logged in para comentar.

Artigos relacionados

SiteLock

Voltar para o topo

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close