Há doentes que estão «a chegar tarde demais às urgências» do hospital da Guarda

O número de doentes que tem procurado os serviços de Urgência da Unidade Local de Saúde da Guarda tem diminuído nas últimas semanas. Mas «pior do que isso», alerta a directora do Serviço de Urgências do Hospital da Guarda, Adelaide Campos, é o facto de alguns doentes estarem a chegar tarde demais.
Com o receio de ir ao hospital em contexto de pandemia de Covid-19, há doentes graves e muito graves que ficam 1, 2 ou 3 dias em casa e acabam por ter assistência já «as coisas estão nas últimas». Há quedas, há acidentes vasculares cerebrais, os problemas cardíacos e complicações das doenças crónicas. Se fosse há dois meses atrás, Adelaide Campos acredita que as pessoas «batiam com a cabeça e iam a correr», agora ficam em casa e atrasam-se na procura de cuidados médicos. Passou-se de um extremo para outro. «Antes usava-se as urgências até de forma abusiva, agora não vêm mesmo nas situações graves».
Adelaide Campos reconhece que «é humano» ter receio de vir ao Hospital, mas as pessoas não têm a noção dos riscos que correm ao ficar em casa». A situação «é crítica», sublinha. A directora das Urgências do Hospital da Guarda defende que depois de ultrapassada a actual situação de pandemia, terá de haver novos investimentos em rastreios e na prevenção da saúde para detectar problemas que agora vão ficar desvalorizados e outros que se vão revelar posteriormente. «Preparou-se a guerra mas descurou-se a saúde e o futuro vai trazer novos desafios e novos problemas», decorrentes desta pandemia. (Notícia desenvolvida na edição desta semana do Jornal Terras da Beira)
EG

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close