Inactividade da linha férrea Pocinho-Barca d´Alva discutida no parlamento

A Assembleia da República (AR), através da Comissão de Economia, Inovação e Obras Publicas, admitiu hoje uma petição que pretende analisar a inactividade do troço de linha férrea entre a estação do Pocinho e Barca d´ Alva. «A petição nº 164/ XIII /1º vai agora ser discutida em plenário e seguir os seus trâmites normais», disse à Lusa fonte ligada à Comissão Parlamentar.
Segundo o documento, a que agência Lusa teve acesso, a ideia passa por criar veículos alternativos movidos a pedal ou energias alternativas, uma vez que os comboios foram retirados de circulação daquela via que foi desactivada em 1987. António Caldas, o «único» autor do documento, explicou à Lusa, que não se trata de uma petição, mas sim de um projecto que pretende ser instalado naquela via com a criação de veículos circulantes para fins turismos. «Em virtude da linha férrea entre o Pocinho( Foz Côa) e a Barca d´ Alva (Figueira de Castelo Rodrigo), em cerca de 28 quilómetros da sua extensão se encontrar desactivada, achei que poderia avançar com o estudo para poder colocar na via material circulante alternativo ao comboio», frisou o autor do projecto.
Para já foi criado um veículo denominado “UMP 300” movido a pedal e dimensionado para transportar até 300 quilos, estando o mesmo em testes desde 2012. «Aguardo uma deliberação da AR, para que de forma legal os diversos veículos para fins turísticos possam circular naquela via-férrea. Todas as unidades móveis serão numeradas para poder circular. Tudo isto implica, ainda, a preservação da linha férrea desde a limpeza de taludes e conservação de outras infraestruturas», frisou o também engenheiro civil.
A 27 de Agosto de 2009 – mais de 20 anos após os comboios deixarem de circular no troço da linha do Douro entre Pocinho e Barca d’Alva – a então secretária de Estado dos Transportes, Ana Paula Vitorino, anunciou que o troço Pocinho – Barca d’ Alva iria ser reabilitado e reutilizado. A ex-governante explicou, à data, que o troço iria ser utilizado numa primeira fase apenas por composições para turistas, mas admitiu que posteriormente fosse reatado o serviço normal. Disse mesmo que o Governo português teria garantido 25 milhões de euros para a reabilitação do troço, esperando ainda o contributo de fundos comunitários.
A linha do Douro, idealizada e construída pela comunidade portuense, nos finais do século XIX, teve como principal objectivo ligar o Porto a Salamanca e fazer chegar mercadorias à Europa.
No ano de 1986, também os espanhóis perderem a sua ligação até Barca d’ Alva, deixando para trás 19 pontes metálicas e 20 túneis, numa obra de engenharia do ferro única, construída essencialmente por portugueses, troço que foi declarado, nos anos 90, como Bem de Interesse Cultural pela autonomia de Castela e Leão.

Comentar

. logged in para comentar.

Artigos relacionados

SiteLock

Voltar para o topo

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close