Ministro do Ambiente diz que redução no preço dos passes sociais é para todo o país

O ministro do Ambiente frisou hoje no Algarve que a proposta que permitirá reduzir o preço dos passes sociais é um projecto nacional, que vai beneficiar não só as grandes áreas metropolitanas, como todas as comunidades intermunicipais do país. No passado Domingo, o líder do PSD, Rui Rio, defendeu na Guarda, durante a V Academia do Poder Local dos Autarcas Social-Democratas, que a redução dos passes sociais deve abranger todo o país e não apenas Lisboa e Porto. Hoje, o ministro do Ambiente, João Matos Fernandes, esclareceu que «este projecto foi sempre, desde o primeiro dia, um projecto para o país todo», reconhecendo que o facto de a decisão ter nascido de «uma cimeira» entre as áreas metropolitanas de Lisboa e do Porto e o Governo faz apenas com que aquelas autarquias estejam «mais à frente no trabalho que têm que fazer».
O governante, que falava aos jornalistas à margem da inauguração da Estação de Tratamento de Águas Residuais Faro-Olhão, acredita que a redução do tarifário dos passes sociais «vai ser, sem dúvida, muito importante para o aumento do rendimento das famílias», além de ter uma «consequência ambiental evidente».
Na Terça-feira, o parlamento aprovou a proposta do PCP de alteração ao Orçamento do Estado para 2019 que aumenta a verba de apoio para reduzir os preços dos passes sociais em 21 milhões de euros, para 104 milhões.
O financiamento do Programa de Apoio à Redução Tarifária (PART) nos transportes públicos para o ano de 2019 vai ficar disponível a partir de 01 de Abril, sendo a fixação dos tarifários da competência das autoridades de transportes de cada área metropolitana e comunidade intermunicipal.
As áreas metropolitanas e autarquias que integram as comunidades intermunicipais serão as responsáveis pela gestão das verbas, sendo que, pelo menos 60% da verba atribuída, deve ser utilizada para a redução do tarifário, podendo mesmo ir aos 100% para esse fim, explicou o ministro do Ambiente. Os outros 40% podem ser utilizados para melhorar, aumentar a oferta ou criar melhores condições no acesso à rede de transportes colectivos, seja através de intervenções nas paragens, ou através da criação de aplicações com informação sobre os transportes, exemplificou João Matos Fernandes.

Comentar

. logged in para comentar.

Artigos relacionados

SiteLock

Voltar para o topo

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close