Morreu Almeida Henriques, autarca de Viseu

O social-democrata Almeida Henriques, que morreu hoje devido à covid-19, dedicou parte da vida à actividade empresarial, passou pelo Governo e queria continuar a trabalhar para que Viseu fosse uma voz liderante na região e influente no país.

António Almeida Henriques integrou uma lista de nomes homologados pela Comissão Política Nacional do PSD como candidatos a presidentes de Câmara nas próximas eleições autárquicas, divulgada em 3 de Março, mas, um dia depois, testou positivo à covid-19 e teve de ser internado no Hospital de São Teotónio (Viseu), no dia 07.

O autarca não pôde assim cumprir na totalidade o seu segundo mandato, durante o qual queria ser “uma voz em rede com os municípios com quem Viseu forma uma comunidade e uma região” e “uma voz forte e esclarecida perante o poder central”, de quem reclamava transparência, lealdade e cooperação.

Natural de Viseu e advogado de profissão, Almeida Henriques tinha 59 anos, era casado e pai de três filhos. Chegou a ser colaborador do Jornal Terras da Beira durante alguns anos.

Nas eleições autárquicas de 2013, sucedeu ao social-democrata Fernando Ruas e, em 2017, os viseenses voltaram a depositar em si a confiança para um novo mandato.

Almeida Henriques deixou o cargo de secretário de Estado Adjunto da Economia e Desenvolvimento Regional no XIX Governo Constitucional para ser o candidato do PSD nas autárquicas de 2013 e, logo que venceu, considerou que o concelho estava a viver “o início de um novo ciclo”, depois de 24 anos de governação de Fernando Ruas (que não pôde recandidatar-se por ter ultrapassado o limite de mandatos).

Levar Viseu a assumir-se “como uma das principais capitais de distrito, uma das principais cidades/região”, foi um desígnio que estabeleceu o antigo deputado da Assembleia da República (na IX, X, XI e XII legislaturas) e vice-presidente do grupo parlamentar do PSD (entre 2005 e 2007, e entre 2010 e 2011).

Se no primeiro mandato a sua preocupação foi lançar as bases de uma nova estratégia de desenvolvimento, no segundo mandato o também vice-presidente da Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP) quis executar essa estratégia, com a ajuda dos fundos comunitários.

Entre os investimentos considerados estratégicos para o concelho estavam, por exemplo, o projeto Mobilidade Urbana de Viseu, o Viseu Arena (resultante da transformação do pavilhão multiusos) e a cobertura do Mercado 02 de Maio.

A execução da cobertura do Mercado 02 de Maio – que arrancou em fevereiro e que visa transformar aquele espaço numa praça de restauração e eventos – foi uma das últimas polémicas em que Almeida Henriques esteve envolvido, tendo recebido críticas de dirigentes culturais, historiadores e arquitetos.

Almeida Henriques era também presidente da Secção de Smart Cities da ANMP e do Conselho Estratégico do Portugal Smart Cities Summit (no âmbito da Fundação Associação Empresarial de Portugal), e encontrava-se a fazer uma forte aposta nesta área no seu concelho. O autarca era ainda presidente do conselho geral da Fundação para os Estudos e Formação nas Autarquias Locais.

Entre 2011 e 2013, quando exerceu as funções de secretário de Estado Adjunto da Economia e Desenvolvimento Regional, Almeida Henriques destacou-se no lançamento de programas de política pública, como o Revitalizar e o Valorizar.

A reprogramação estratégica, o avanço da execução do Quadro de Referência Estratégico Nacional e a aprovação e implementação de um pacote de medidas de apoio às famílias endividadas e de disciplina de práticas bancárias abusivas foram outras áreas em destaque.

O social-democrata foi também presidente da Associação Industrial da Região de Viseu (AIRV), de 1994 a 2002, presidente da direcção do Conselho Empresarial do Centro – Câmara de Comércio e Indústria, de 2002 a 2010, e vice-presidente da Confederação da Indústria Portuguesa, de 2005 a 2010, entre outros cargos que teve ao nível associativo e empresarial.

Como autarca, foi presidente da Assembleia Municipal de Viseu e da Assembleia da Comunidade Intermunicipal Viseu Dão Lafões. Teve ainda uma participação activa em várias instituições culturais, sociais e científicas da região e foi fundador e administrador de várias empresas. Era comendador da Ordem do Mérito Agrícola, Comercial e Industrial, por atribuição do Presidente da República Jorge Sampaio, e presidente honorário da AIRV.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close