Ordem dos Médicos do Centro lamenta escassez de vagas para a ULS da Guarda

A Secção Regional do Centro da Ordem dos Médicos (SRCOM) lamentou hoje que, no mais recente concurso para assistente hospitalar, o Ministério da Saúde não tenha atribuído mais vagas para a Unidade Local de Saúde da Guarda.
Em comunicado, a SRCOM «lamenta a irresponsabilidade reiterada do Ministério da Saúde no mais recente concurso para assistente hospitalar, uma vez que não atribuiu qualquer vaga para a Unidade Local de Saúde (ULS) da Guarda nas especialidades de Anestesiologia, Anatomia Patológica, Gastrenterologia, Medicina Interna, Neurologia, Oftalmologia, Otorrinolaringologia, Patologia Clínica, Pneumologia, Psiquiatria e Radiologia».
A SRCOM adianta que, no mais recente procedimento concursal para médicos recém-especialistas, “das 57 vagas para a região Centro apenas seis são atribuídas à ULS da Guarda: «Cardiologia (uma vaga), Cirurgia Geral (uma), Ginecologia/Obstetrícia (uma), Ortopedia (uma), Pediatria (uma) e Saúde Pública (uma)». «É incompreensível o actual mapa de vagas para o Hospital Sousa Martins, gerido pela ULS da Guarda, pois estamos perante áreas hospitalares já bastante penalizadas nesta região do Interior», refere o presidente da SRCOM, Carlos Cortes, citado na nota.
Para o responsável, a região e a unidade de saúde da Guarda «enfrentam dificuldades com especial complexidade, pelo que é urgente autorizar a contratação de médicos para estas áreas carenciadas». «A grave carência de recursos humanos no Hospital de Sousa Martins (Guarda) pode, a curto prazo, colocar em causa a qualidade dos serviços de saúde prestados, bem como a resposta nalgumas valências fundamentais», alerta Carlos Cortes.
O Ministério da Saúde «está a contribuir para a agonia do Serviço Nacional de Saúde no interior do país e a condicionar a assistência aos utentes», acrescenta. O presidente da SRCOM refere ainda que, «com as carências na ULS da Guarda, designadamente de recursos humanos e meios financeiros, são necessárias medidas urgentes por parte do Ministério da Saúde para travar o colapso desta unidade».
A terminar o comunicado, o responsável questiona: «Afinal, o que quer a Ministra da Saúde para o Hospital da Guarda? Quer continuar a manter em funcionamento esta indispensável instituição ou contribuir para o seu encerramento?».

Comentar

. logged in para comentar.

Artigos relacionados

SiteLock

Voltar para o topo

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close