“Os Verdes” alertam na Guarda para exploração de urânio junto à fronteira

Elementos do Partido Ecologista “Os Verdes” e do congénere espanhol alertaram hoje a população da cidade da Guarda para os perigos da exploração de urânio junto à fronteira, na província de Salamanca.
Durante a manhã, no centro da Guarda, ambientalistas de ambos os lados da fronteira, trajados com adereços alusivos à temática da radioactividade, distribuíram panfletos e deixaram a mensagem “Minas de Urânio? Não, Obrigado! Nem em Salamanca nem noutro lado!”.
A acção, realizada por “Os Verdes” e pelo partido congénere espanhol EQUO, teve como objectivo alertar a população para os riscos que a exploração de urânio que está a ser implementada junto à fronteira pode trazer para o ambiente e para a saúde humana nomeadamente pela propagação de partículas radioactivas na atmosfera.
Segundo os ambientalistas, o complexo prevê a abertura de minas a céu aberto, a criação de uma unidade de reprocessamento de urânio (em Retortillo-Santidad, Salamanca, na bacia hidrográfica do rio Douro) e um depósito de resíduos radioactivos.
Uma das minas será na zona de La Alameda de Gardon, localidade que dista cerca de oito quilómetros da fronteira. “Nós abandonámos as nossas explorações [de urânio] no virar do século e não queremos agora sofrer dos impactos que esta exploração junto à fronteira poderá trazer para o nosso país”, disse aos jornalistas Miguel Martins, dirigente do Partido Ecologista “Os Verdes”.
O responsável alertou que a exploração em causa “tem impactos gravíssimos não só para Espanha como para Portugal”, o que levou à apresentação de uma queixa na Comissão Europeia.
O partido também vai voltar a questionar o Governo “para saber se já houve alguma informação por parte do governo espanhol” sobre o projecto, uma vez que em Julho a informação existente “era escassa”.
A proximidade da exploração de urânio da fronteira levou já “Os Verdes” a reunirem com a Câmara Municipal de Almeida e esta tarde, às 15:00, reunirão na Câmara Municipal de Freixo de Espada à Cinta, distrito de Bragança.
A porta-voz do partido espanhol EQUO em Castela e Leão, Marta Santos, referiu que a exploração de urânio que é contestada representa “muito perigo para a saúde humana” e fica numa zona onde correm dois rios afluentes do Douro. “O perigo para Portugal pode ser a água, pode ser o rio Douro”, avisou, considerando “inadmissível para o Governo português ter este perigo às portas da fronteira, porque estas minas não vão trazer qualquer benefício para Portugal”.
Marta Santos informou que os ambientalistas espanhóis lutam a vários níveis para que o projecto não seja executado, estando agendada uma manifestação para o dia 30, às 12:00 [11:00 pela hora portuguesa], para a localidade de Retortillo-Santidad.

Comentar

. logged in para comentar.

Artigos relacionados

SiteLock

Voltar para o topo

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close