Parlamento aprova medidas de promoção e valorização da cestaria de Gonçalo

O parlamento aprovou hoje, por unanimidade, três projectos de resolução de PS, PCP e BE sobre a promoção e a valorização da cestaria de Gonçalo, no concelho da Guarda.
As três resoluções – recomendações ao Governo, sem valor de lei – visam dar “notoriedade” e “visibilidade” à arte da cestaria, apostar “na formação e na certificação” e na aplicação de “políticas de preservação e difusão” daquela arte tradicional.
O PS sugere no seu projecto de resolução que o Governo “avalie”, em colaboração com as autarquias locais, a possibilidade de criação de um Centro para a Promoção e Valorização da Cestaria de Gonçalo, com vista a “assegurar um processo de certificação”.
Defende também a promoção, controlo, certificação e fiscalização da qualidade, “genuinidade e demais preceitos de produção da Cestaria de Gonçalo”.
O PS propõe ainda incentivos e apoios, a promoção de acções de formação e de valorização profissional, com vista à sua “divulgação e valorização”.
Recomenda ainda a possibilidade da existência de uma classificação “quanto à sua origem e qualidade, de forma que seja inscrito em cada cesto o local de manufactura” e lembra que Gonçalo é conhecida “em todo o país como a ‘Terra dos Cesteiros'”.
Já o PCP explica que a cestaria “foi responsável por duzentos a trezentos postos de trabalho” na freguesia de Gonçalo e que hoje “existem cerca de dez artesãos e que apenas três fazem da cestaria a sua forma principal de subsistência”.
Os comunistas apontam que a produção de vime veio decaindo “por incapacidade de escoamento dos produtos, que competem num ambiente cada vez mais hostil ao produto nacional”.
Para relançar o sector, recomenda ao Governo que, em articulação com o poder local, “disponibilize meios para a criação de uma estrutura de valorização, salvaguarda e promoção do património cultural e material relacionado com a produção e com o mercado da cestaria de Gonçalo, com capacidade para a certificação da origem e da técnica de cestaria”.
Defende ainda que “promova, juntamente com os artesãos e as autarquias locais, a formação de novos artesãos”, e que “crie um mecanismo de apoio à produção local de vime e à sua distribuição e escoamento”.
Por seu lado, o BE considera no projecto de resolução que a cestaria de Gonçalo “é um importante património nacional” e “há mais de 400 anos que ali se fazem cestos e foi dali que a arte da cestaria se espalhou pelo país”.
O BE considera que “importa mover esforços e implementar políticas de preservação e difusão da cestaria de Gonçalo”, dando-lhe “visibilidade”.
O partido propõe que a Assembleia da República recomende ao Governo que estabeleça “mecanismos de salvaguarda da cestaria”, nomeadamente a qualificação e a valorização das artesãs e dos artesãos, e aconselha ainda “o levantamento e inventariação das técnicas e processos” da arte de trabalhar o vime, o estudo e a investigação sobre a história, a estética, os processos, as técnicas e os materiais e a divulgação e promoção daquele património.

Comentar

. logged in para comentar.

Artigos relacionados

SiteLock

Voltar para o topo

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close