Penitência

As matracas continuarão caladas, por mais um ano, não chamando ao recolhimento neste tempo de paixão do Senhor.

Em repouso, na arrecadação da igreja continuarão também as opas pretas, da Confraria da Misericórdia local e as lanternas que romperiam a escuridão da noite, quando se acompanha O Senhor na procissão do Enterro.

A pandemia não o permitirá! Assim como não deixará que no Domingo de Páscoa o beijar da Cruz anime as ruas da vila e se assista ao corrupio do entra e sai em cada uma das casas que abre a porta ao sacerdote que anuncia a Ressurreição.

Tempos estranhos que nos roubam por uma segunda vez estes momentos de religiosidade, mas também de convívio entre conterrâneos, pois o tempo de Páscoa foi sempre um tempo de encontro entre os que vivem cá e os que foram para longe!

Nas ruas e nas casas, por toda a Manteigas, haverá quem sinta falta do bulício pascal, dos companheiros de uma vida que este ano não vieram, ou dos que entretanto partiram…

Páscoa significa passagem, esperança, viva num renascer da natureza a cada ano. Uma passagem da morte para a vida.

Uma renovação que se deseja… e pela qual aspiramos desde há um ano, na esperança de reencontros adiados!

E se viver a Páscoa, em plenitude, significa para os cristãos fazer penitência, não encontraremos maior gesto de sacrifício que aquele que de momento atravessamos. O sacrifício que nos impede de celebrar a Páscoa cristã seguindo os preceitos e tradições da religião que professamos, ou da comunidade onde vivemos ou nascemos.

Se acreditássemos num Deus vingativo e rancoroso, talvez pensássemos que este era um castigo divino pelos desmandos cometidos contra a mãe natureza.

Não acreditando num Deus assim, pensaremos que também Ele sofre por não podermos celebrar, por duas vezes consecutivas, a Sua morte e ressureição.

De qualquer forma, Boa Páscoa caro leitor.

P.S. – Após a retirada de confiança à Vice-Presidente da autarquia manteiguense, a corrida eleitoral do próximo outono ganhou mais uma candidata oficial à cadeira maior. Com as promessas existentes, estaremos perante uma boa e numerosa corrida eleitoral? Aguardemos pelos programas para ver o que prometem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close