Sé Catedral da Guarda vai ter órgão original que será reconstruído

O presidente da Câmara Municipal da Guarda, Álvaro Amaro, anunciou Sexta-feira que vai ser apresentada uma candidatura a fundos comunitários para que o antigo órgão de tubos da Sé local possa ser recolocado naquele templo religioso. Segundo o autarca, existiu anteriormente a intenção de ser adquirido um órgão de tubos novo, dado que a Catedral da Guarda não possui tal equipamento, mas a Direcção Regional de Cultura do Centro (DRCC) e a Diocese desistiram da ideia e optaram pela reconstrução do original.
O antigo órgão da Sé da cidade mais alta do país foi desmantelado no início do século passado, durante a realização de obras de restauro.
As peças encontram-se depositadas no Seminário Maior da Guarda, estando agora equacionada a sua reconstrução incorporando as componentes originais, revelou o presidente do município aos jornalistas, no final da reunião quinzenal do executivo. «Eu acho que é uma belíssima ideia, porque acho que eram peças muito importantes”, declarou Álvaro Amaro.
O responsável disse ter conhecimento de que «foi encetado esse processo da reconstrução do órgão e a candidatura deverá ser entregue até ao final deste ano». Adiantou ainda que a Câmara Municipal alocou dinheiro do FEDER, no valor de 400 mil euros, justamente para financiar a obra que «é uma velha aspiração da Diocese [da Guarda] e dos guardenses», que deverá custar 600 mil euros.
Em Julho de 2015, na sessão de assinatura do contrato inter-administrativo de transferência do Museu da Guarda para a Câmara Municipal, celebrado entre a autarquia e a DRCC, o autarca anunciou que no plano de investimentos da Comunidade Intermunicipal das Beiras e Serra da Estrela, submetido ao programa Portugal 2020, estava incluída uma verba de 400 mil euros “para se comprar um órgão [de tubos] para a Sé da Guarda”, no seguimento de um desejo já antigo da Diocese.
A Sé da cidade mais alta do país é um templo de estilo gótico, todo em granito, que levou cerca de 150 anos a construir (finais de século XIV até meados do século XVI).

Comentar

. logged in para comentar.

Artigos relacionados

SiteLock

Voltar para o topo

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close