“Solar do Vinho da Beira Interior” no chamado “Quintal Medroso”

O “Solar do Vinho da Beira Interior”, que é a futura sede da Comissão Vitivinícola Regional da Beira Interior (CVRBI), foi construído no jardim do antigo Solar Teles de Vasconcelos, conhecido como “Quintal Me-droso”. O edifício, que teve um custo global de cerca de meio milhão de euros, foi inaugurado no passado dia 25 de Abril. Uma cerimónia que contou com a presença do ministro da da Agricultura, Capoulas dos Santos.

O “Solar do Vinho da Beira Interior”, que é a futura sede da Comissão Vitivinícola Regional da Beira Interior (CVRBI), será «uma alavanca para a divulgação dos vinhos» produzidos localmente e contribuirá para que tenham «notoriedade» no mercado nacional e internacional. É esta a convicção do presidente da CVRBI, João Carvalho, manifestada no discurso proferido na cerimónia de inauguração daquele espaço, ocorrida no passado dia 25 de Abril, que contou com a presença do ministro da Agricultura, Capoulas dos Santos.
A nova sede da CVRBI foi construída no jardim do antigo Solar Teles de Vasconcelos, conhecido como “Quintal Medroso”. O edifício, que teve um custo global de cerca de meio milhão de euros, foi construído pela Câmara Municipal da Guarda, tendo, nesse sentido, sido assinado um contrato de comodato entre a autarquia e aquela comissão vitivinícola.
A CVRBI abrange as zonas vitivinícolas de Castelo Rodrigo, Pinhel e Cova da Beira, nos distritos de Guarda e de Castelo Branco, onde existem cerca de 60 produtores de vinho, entre adegas cooperativas e produtores particulares.
Na opinião do presidente da CVRBI, João Carvalho, com a abertura da nova sede, o sector dos vinhos será dignificado, uma vez que a entidade que dirige passará a reunir condições para receber, «com dignidade, os agentes económicos de qualquer parte do mundo para virem ver quem nós somos, e o que é que somos capazes de fazer». Disse que a CVRBI pretende tornar a viticultura «como a principal actividade eco-nómica agrícola» da Beira Interior, prosseguir o trabalho de participação em certames nacionais e estrangeiros e criar a Rota dos Vinhos e Enoturismo da Beira Interior.
Poucos dias antes da inauguração, aquele dirigente já tinha afirmado ao TB que a sede engloba «toda a parte técnica, em termos de laboratório, de provas e também a área administrativa». «No exterior, a zona de jardim ficará aberta durante todo o dia para as pessoas poderem ali merendar e adquirir garrafas de vinho», adiantou.
João Carvalho explicou que «a ideia foi ter um edifício, de raiz ou não, adaptado às necessidade da CVRBI» e espera que «daqui a dez anos seja demasiado pequeno e que daqui a vinte anos seja ínfimo». Na sua opinião, a Beira Interior, com os seus 16 mil hectares de vinha, tem potencial para vir a ter uma dimensão completamente diferente daquela que tem hoje. É que, justifica, «actualmente certifica pouco mais do que um décimo daquilo que produz, o que significa que os vinhos da Beira Interior podem vir a ser dez mais do que aquilo que são hoje».
No dia da inauguração, depois de recordar todo o processo que levou à escolha do “Quintal Medroso” para a construção da sede da CVRBI, o presidente da Câmara Municipal da Guarda, Álvaro Amaro, disse esperar que os vinhos locais beneficiem com a inauguração do Solar do Vinho da Beira Interior, que se juntará, em breve, ao Solar dos Sabores, que surgirá no edifício dos antigos Paços do Concelho, que também acolherão a sede da Comunidade Intermuni-cipal das Beiras e Serra da Estrela.
O ministro da Agricultura, Capoulas Santos, disse que nos últimos 30 anos o país fez um trabalho «notável» no sector vitivinícola e os vinhos nacionais afirmam-se a nível mundial como «vinhos de excelência». Segundo Capoulas Santos, o país fez «um trabalho notável» em áreas como a reestruturação da vinha, a selecção e melhoria das castas, a organização dos produtores, a criação das Comissões Vitivinícolas Regionais, a vocação expor-tadora e o investimento na agro-indústria.
O governante referiu que no último ano a agricultura «cresceu o dobro do resto da economia», o vinho aumentou a sua produção e também aumentaram as exportações deste produto. «Só nos dois primeiros meses deste ano o aumento das exportações foi na ordem dos 15%, disse, acrescentando que os vinhos portugueses «afirmam-se cada vez mais no mundo inteiro como vinhos de excelência que são multipremiados e que granjeiam cada vez mais respeito».
Capoulas Santos referiu que no futuro o objectivo é apostar «no valor»: «Temos que aumentar as nossas expor-tações cada vez mais em valor, porque os nossos vinhos são de inequívoca qualidade”.
O ministro observou que, «infelizmente, durante muitas décadas», os vinhos nacionais «eram associados a produtos de baixa qualidade» e exportados a granel, mas o panorama mudou pelo «esforço feito nos últimos 30 anos», em que houve «a continuidade das políticas», independentemente das mudanças de Governo.
A CVRBI tem sede na Guarda e abrange as zonas vitivinícolas de Castelo Rodrigo, Pinhel e Cova da Beira, nos distritos de Guarda e de Castelo Branco, onde existem 54 produtores de vinho, sendo cinco adegas cooperativas e 49 produtores particulares. Na área demarcada da Beira Interior existem 16 mil hectares de vinha e são produzidos anualmente mais de 40 milhões de litros de vinho.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close