Tribunal da Guarda absolve Ana Manso do crime de peculato e falsidade informática

O Tribunal da Guarda absolveu hoje a antiga presidente da Unidade Local de Saúde (ULS) daquela cidade, Ana Manso, da prática dos crimes de peculato e de falsidade informática. O Tribunal absolveu dos mesmos crimes Luís Rebelo, antigo secretário pessoal de Ana Manso.
Os elementos do Conselho de Administração da ULS/Guarda que se seguiu a Ana manso, liderado por Vasco Lino, que estavam acusados do crime de abuso de poder, pela autorização da reposição, pela arguida, de valores indevidamente processados e inviabilizado a instauração de processo disciplinar, foram também absolvidos.
Ana Manso, que também já foi deputada do PSD, sentou-se no banco dos réus acusada, em conjunto com o seu antigo secretário pessoal, dos crimes de peculato e de falsidade informática, por, após ter sido exonerada do cargo de presidente da ULS, ter continuado a receber ajudas de custo.
O Tribunal concluiu que não foi provado que Ana Manso e Luís Rebelo “tenham feito o que quer que fosse” para aquela receber o valor em excesso a título de representação.
À saída do tribunal, após a leitura da sentença, nenhum dos arguidos prestou declarações aos jornalistas.
O advogado João Bandurra, que defendeu Ana Manso, disse que “foi feita justiça”. “Esta casa [Tribunal] não é uma casa para perseguições e para se seguirem ódios pessoais, é uma casa onde se analisam factos, se veem comportamentos e se limpa a imagem das pessoas que quiseram sujar, no caso da doutora Ana Manso, e foi feita justiça. Ela foi absolvida, como só podia ser”, declarou. João Bandurra referiu que “tratou-se de um erro que foi reparado”.
Segundo a acusação, entre 30 de novembro de 2012 e 30 de dezembro de 2013, a arguida recebeu despesas de representação no valor de 1.131,89 euros mensais, e não no montante de 583,80 euros, “como lhe era devido, dadas as funções assumidas a partir de 22 de novembro de 2012, como Administradora Hospitalar de 1.ª Classe”.
Naquele período, Ana Manso “auferiu indevidamente a quantia global de 6.577,08 euros a título de despesas de representação, sem dar disso conhecimento ao Serviço de Recursos Humanos e ao Serviço de Vencimentos da Unidade Local de Saúde da Guarda, E.P.E., fazendo seu aquele montante”.
Durante o julgamento, a antiga presidente do Conselho de Administração da ULS da Guarda rejeitou qualquer culpa no recebimento de ajudas de custo após deixar de exercer o cargo.
Ana Manso disse que não teve “rigorosamente nada a ver com a forma de processamento dos vencimentos” e que foi ela quem alertou para a situação logo que teve conhecimento da mesma.
“Em 38 anos de carreira isto nunca me aconteceu”, disse, rejeitando qualquer ato premeditado com Luís Rebelo, o seu antigo secretário pessoal, ou com o serviço de pessoal da instituição.
Explicou que após ter alertado o CA para o assunto, o mesmo ficou “resolvido”, tendo em conta que repôs o dinheiro recebido indevidamente.
Ana Manso desempenhou as funções de presidente da ULS da Guarda entre dezembro de 2011 e novembro de 2012, e atualmente é administradora hospitalar na mesma instituição.

Comentar

. logged in para comentar.

Artigos relacionados

SiteLock

Voltar para o topo

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close