CERVAS considera que a estratégia de algumas entidades «não é a mais adequada»

O relatório do CERVAS conclui que 2015 foi dos «melhores anos de actividade». Mas nem tudo é positivo. Aquela estrutura alerta que a estratégia que algumas entidades responsáveis possam adoptar de não recolher as crias de espécies protegidas, quando são encontradas por um particular, não é a mais adequada.

ano passado esteve, «de uma forma geral», ao nível dos «melhores anos de actividade do CERVAS [Centro de Ecologia, Recuperação e Vigilância de Animais Selvagens, com sede em Gouveia] desde o início do seu funcionamento», em 2006. «Os resultados da recuperação de animais continuam a ser positivos, com percentagens de libertação próximas dos habituais 60 por cento, e foi possível manter a equipa técnica contratada», conclui o Relatório de Actividades 2015.
Mas nem tudo é positivo. O documento aponta a «ligeira subida do número de ingressos relacionados com o cativeiro/captura ilegal, embora ainda tenha ficado longe de outros anos com maior número de apreensões por parte do SEPNA/GNR da Guarda». «O CERVAS considera muito importante em termos de conservação da natureza, numa perspectiva de sensibilização e educação ambiental, que continue a haver um esforço por parte das autoridades competentes para detectar e punir as situações de captura e cativeiro ilegal de espécies protegidas, que infelizmente ainda continuam a ser uma realidade bem presente na sociedade portuguesa», defende.
«Tal como referido em relatórios anteriores em relação à recuperação de crias de espécies protegidas, o CERVAS considera que a estratégia que algumas entidades responsá-veis possam adoptar de não as recolher quando são encontradas por um particular, deixando-as no campo, em áreas humanizadas e em situações onde não se pode confirmar a presença dos progenitores, não é a mais adequada», destaca o relatório. «A probabilidade de morte por predação ou por debilidade/fome pode ser grande pelo que consideramos que haverá maior probabilidade de sucesso se a cria for entregue num centro, onde possa ser feita uma triagem e avaliação de cada situação», justifica.
Ainda pela negativa, o centro destaca «o aumento de número de ingressos devido a tiro, atingindo valores próximos dos máximos registados, o que poderá revelar uma tendência preocupante de aumento de animais feridos devido a abate ilegal».

Actividades
envolveram quase 10 mil pessoas
Entre «1 de Janeiro e 31 de Dezembro de 2015, deram entrada no CERVAS 553 animais, dos quais 68 por cento (376 animais) se encontravam vivos na altura do seu ingresso. A estes somam-se 32 animais (10 deles irrecuperáveis residentes) que se encontravam no centro no final de 2014, sendo que 2 destes ingressaram em 2009, 2 em 2010, 2 em 2011, 1 em 2012, 3 em 2013 e 22 em 2014».
«Comparando com os registos de 2014, verifica-se um grande aumento (363 para 553) no número de ingressos totais e de vivos (256 para 376), sendo estes números os mais elevados desde 2006», revela o documento.
Nesse período foi possível libertar «237 animais, do total que se encontrava em recuperação, o que representa uma taxa de libertação de 59,54 por cento, e se traduz num aumento de cerca de 0,5 por cento face ao registado no ano de 2014».
«Estes resultados tornam 2015 o segundo melhor ano desde o início da actividade do CERVAS ao nível do sucesso da devolução à natureza», destaca o relatório, salientando que «considerando todo o período de actividade do centro, os resultados globais são actualmente de 62,47 por cento de animais libertados».
A ordem mais representada nos ingressos foi a «Strigiformes (145), seguida da Passeriformes (115) e Falconiformes (101), sendo de destacar o elevado número de espécies diferentes que ingressou (94)».
A causa com maior número de ingressos foi a «queda do ninho (135), seguida do atropelamento (110), tal como tem sido habitual, sendo de destacar pela negativa o elevado número de ingressos por captura e cativeiro ilegal (57) e tiro (18).
«Os distritos da Guarda (220) e Coimbra (158) foram as principais áreas de origem de animais vivos, seguidos de Viseu (120). O SEPNA [Serviço de Proteção da Natureza e do Ambiente]-GNR continua a ser a entidade com maior número de animais vivos entregues no CERVAS (218), sendo de destacar a equipa de Viseu, a que mais animais entregou (49)», refere o relatório.
Durante o ano passado foram ainda realizadas «159 acções de devolução à natureza de animais selvagens recuperados no CERVAS, envolvendo 5510 pessoas, números que representam um significativo aumento em relação ao ano anterior e que são os mais elevados de sempre».
«Se considerarmos todas as actividades desenvolvidas, houve 9701 pessoas alcançadas», evidencia o CERVAS, acrescentando terem sido realizados «15 estágios: 4 na área da Biologia, 6 de Medicina Veterinária e 5 noutras áreas».
«O modelo de gestão actual pode ser melhorado e adequado às actuais dinâmicas, perspectivas e capacidade de trabalho da equipa do CERVAS e da actual Associação ALDEIA, o que significa que poderão ser necessárias alterações futuras para se conseguir obter ainda melhores resultados», conclui o relatório.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close