A Árvore

A meia distância do trajeto Guarda – Covilhã olho para a direita.

Olho para a Serra e vislumbro uma árvore. Firmo o olhar e vejo uma árvore verde, sozinha, em centenas de hectares negros.

“Altiva Solidão” diria Eduardo Lourenço.

De pé, firme, de luto. Assim se apresenta. Assim nos representa a todos. Vida em espaço desértico. O presente enquanto prenúncio de futuro. Prenúncio de morte.

A Árvore, todas as árvores, são hoje (e sempre) a arma de estabilização dos solos. A garantia de permeabilidade, infiltração e fixação de água. A Árvore enquanto sequestradora de carbono e produtora de oxigénio. A arma das armas na luta contra as alterações climáticas e suas consequências: fenómenos meteorológicos extremos, perda de biodiversidade, degradação ambiental e da saúde humana. A Água como sangue de vida e cicatrizante da ferida. Ferida provocada pelo abandono do interior e muito agravada pelos incêndios.

Árvores, Água e População Residente, enquanto ecossistema socioeconómico e ambiental, sustentável. Em coabitação próxima e frutuosa sem visão fundamentalista (muito em voga em diversas correntes de opinião e especialmente em alguns organismos da administração central). Sem predomínio exclusivo de um sobre os outros, nem segmentados, nem de costas voltadas. A simbiose enquanto desenvolvimento sustentável.

Vem de longe, por isso muito esquecida, a alegoria Bíblica da árvore do conhecimento enquanto ilustração de unidade entre o Homem e o mundo natural. “ El bosque nos daba de comer, y en cierto modo, incluso de beber y «de respirar»”. (1)

Todos os dias, em todas as zonas geográficas, em todas as espécies, sofremos as consequências deste deslaçar da relação do Homem com o seu meio envolvente. A pandemia em que estamos (Covid-19; 2020- …) é só um exemplo.

Se o povo, que tudo sabe, sintetiza: “ Devemos fazer um filho, escrever um livro e plantar uma árvore” muita razão terá. Cuidar com conhecimento e de forma sustentável – a trilogia criativa da Humanidade.

(1) – Ignacio Abella; EL BOSQUE SAGRADO; Creencias mitos y tradiciones de los pueblos cantábricos; Libruscos, 1º ed, 2017.

Palavras dos outros:

1 – «Tornámo-nos numa Disneylândia para ricos e milionários à custa da classe média», João Vieira Pereira, Expresso, 16-09-2022

2 – «Não pode haver pior exemplo dos fracassos do país do que a realidade dos 11,6% dos portugueses que trabalham mas nem assim conseguem escapar às amarras da pobreza.», Manuel Carvalho, Público, 16-09-2022

3 – «Saúde e Educação! Dois bons exemplos, talvez os melhores, do que é a incapacidade de gestão, a deficiência de previsão, a falta de planeamento e a ausência de espírito pratico realista.», António Barreto, Público, 17-09-2022

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close