A insatisfação sem conhecimento

Aproximam-se as eleições presidenciais em Portugal e presenciamos um fenómeno que não é estranho à História, pelas piores razões. Importa perceber a razão de pessoas minimamente esclarecidas serem arrastadas por discursos populistas.

Em primeiro lugar, estes fenómenos revelam-se onde existe um descontentamento político, crises económicas e instabilidade governamental. Para contrastar com o argumento e crítica popular – “são todos iguais” -, surge uma figura com a bandeira “anti-sistema”, a prometer uma mudança radical.

Em segundo lugar, esta figura, que se auto-intitula como líder, usa os meios de comunicação social para perseguir os seus objetivos. Com um discurso que se descola do discurso de todos os outros políticos, usa-se uma linguagem simples, para que todos a possam perceber, espalham-se notícias falsas, sendo a mentira uma das grandes armas, e diz-se muito alto e sem medo aquilo que é absurdo, tornando-o em algo tragável. Autenticidade, mesmo que isso signifique falta de ética e de educação. É isso que o povo descontente quer ouvir, gritos de ordem e ameaça ao sistema, diferenciação, novo rumo. Cada discurso, um espetáculo, uma agregação de massas, um hino conjunto e uma ovação ao líder, salvador da pátria, D. Sebastião há tanto esperado.

Em terceiro lugar, a promessa da restauração da antiga ordem, da criação de um país para portugueses de sangue azul. Repugnar tudo aquilo que quer ser diferente ou progressista. Ser fiel ao conservadorismo, conservando-o segundo normas estabelecidas. Mulheres em casa a cuidar dos filhos, de onde nunca deveriam ter saído, os homens, senhores de toda a força jamais se poderão sentir inseguros e, caso isso aconteça, permite-se o uso de armas para defesa e afirmação da sua masculinidade.

Em quarto lugar, o líder declara, expressamente, intolerância a pessoas de etnias, raças, credos ou opções sexuais diferentes da sua. Tudo o que é diferente à sua condução de vida é errado e deve ser eliminado. Ciganos, judeus, homossexuais, criminosos, imigrantes, entre outros. As pessoas reconhecem o radicalismo mas aplaudem o líder que tem a coragem de dizer aquilo que é politicamente incorreto. Ter um bode expiatório pode ser engraçado até porque isso só nos engrandece porque estamos do lado dos que apontam o dedo. «Fora ciganos, morte aos criminosos, cuspam nos gays, queimem os judeus, tirem os ovários às mulheres, não aceitem os imigrantes!».

Em quinto lugar, o apontar dos problemas que todos conhecemos, a promessa da resolução do crime com a pena de morte, segurança para os «portugueses de bem», culpabilização da crise económica aos esquerdistas por exercerem «essa coisa da democracia e da justiça social». Renascimento, reconstrução, afirmação. «Um povo, uma nação, um líder».

Em sexto lugar, a promessa de benefício aos grandes grupos económicos. Conhecem estratégia de apoio mais eficaz? Dinheiro é poder, independentemente do que esteja em causa.

Em sétimo lugar, a Lei da Rolha. Demissão, ameaças e censura a todos os que se oponham ao líder. Linguagem cada vez mais severa e agressiva. Violência.

Estes foram os passos dados por Hitler para chegar ao poder. Resultado: seis milhões de judeus exterminados, mais de 50 milhões de pessoas mortas na Segunda Guerra Mundial, miséria assombrosa, o período mais negro da história do mundo.

Tudo começou com o uso do sentido de oportunidade. Oportunismo por parte de um ex-militar sem cultura que poucos levavam a sério. Implementou o ódio com os seus discursos populistas contra os mais frágeis, aproveitou-se do clima de instabilidade social vivida e arrastou o povo alemão na sua maldade. É este o perigo da democracia, a má-fé dos imbecis que sabem como manipular.

Quando o povo se apercebeu do que estava a acontecer, já era tarde demais.

Portugal é um povo consciente e não nos vamos deixar iludir por fantoches do mal. Somos mais inteligentes do que isso. Somos evoluídos e somos do Bem. E não há nada mais Puro que o Bem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close