ACG com projectos aprovados para 2017 no valor de 1,8 ME

A Associação do Comércio e Serviços do Distrito da Guarda (ACG) anunciou que em 2017 irá dinamizar projectos no valor global de 1,8 milhões de euros, que abrangerão mais de 100 empresas da região. A direcção da ACG, presidida por Miguel Alves, refere em comunicado que, fruto das candidaturas aprovadas, o próximo ano apresentará «perspectivas muito positivas» para a economia do distrito da Guarda. «Reflectido no que foi o trabalho desenvolvido nos últimos dois anos, finalmente estão disponíveis e aprovados os projectos formatados e candidatados, pela ACG, no valor global de 1.880.814,42 euros e beneficiando mais de 100 empresas e aproximadamente 600 colaboradores do distrito da Guarda», indica a fonte na nota enviada à comunicação social.
Segundo a ACG, foram aprovados seis projectos, que serão iniciados em 2017, sendo três relacionados com acções de formação para pequenas e médias empresas e os restantes denominados “Comércio Investe – Celorico da Beira”, “USABEIRA – Doing Business” e “CEG Business Startup”.
A iniciativa “Comércio Investe – Celorico da Beira” é promovida pela ACG e por um grupo de empresas de cariz comercial e contempla um quadro de actividades de intervenção directa nessas empresas, complementadas por um programa de acções de promoção e dinamização do centro urbano daquela vila do distrito da Guarda. O objectivo é a modernização da oferta comercial e o aumento da atratividade dos espaços e proximidade com o consumidor, para «contribuir para o aumento do volume de vendas e estimular a dinâmica económica» do município.
O projecto “USABEIRA – Doing Business” assenta numa estratégia de colaboração entre os promotores e a comunidade empresarial da região da Guarda e do Fundão (distrito de Castelo Branco), no desenvolvimento de relações entre Portugal e os Estados Unidos da América, «divulgando e incentivando oportunidades de negócios e apoiando as empresas no seu processo de internacio-nalização».
Quanto ao “CEG Business Startup”, é um projecto que pretende posicionar a Guarda e a Beira Alta como um todo, como sendo «uma região de elevada competitividade pela capacidade de captação/retenção de talentos e iniciativas empresariais empreendedoras que promovam uma maior dinâmica e crescimento sustentado da economia deste território e contribuam para a coesão social», segundo a ACG.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close