Adiado o futuro do antigo matadouro da Guarda

Está por enquanto adiada a reabilitação, ampliação, exploração e gestão do espaço do antigo matadouro da Guarda. O único concorrente ao concurso público para a constituição do direito de superfície daquele espaço destinada a comércio e serviços não cumpriu os requisitos legais e a Câmara decidiu, na passada Segunda-feira, não avançar com a adjudicação. O vice-presidente Carlos Monteiro, que presidiu à reunião da autarquia na passada Segunda-feira, lamentou que o concorrente não tenha respondido aos requisitos exigidos pelo concurso, adiantando que o município vai gora ponderar sobre esta situação.
O terreno e os edifícios são património da autarquia e foram avaliados em 288.463 euros. Aquando da aprovação da abertura do concurso, o presidente da autarquia, Álvaro Amaro, disse que havia um interessado mas esperava que aparecessem mais investidores. Assim não veio a acontecer e o único concorrente não chegou a dar resposta aos requistos exigidos no concurso.
Aquele espaço, que foi matadouro, chegou a sofrer obras de requalificação para albergar provisoriamente os comerciantes do Mercado Municipal enquanto decorressem as obras de construção do centro comercial “Guarda Mall”, que não viria a ser concretizado.
Na reunião do executivo municipal da passada Segunda-feira, o vereador socialista Joaquim Carreira defendeu a necessidade de a Guarda ter um pavilhão multiusos, recordando que os eleitos do PS já tinham feito essa sugestão no início do mandato do social-democrata Álvaro Amaro à frente dos destinos do município. Adiantou que para a construção de um pavilhão de cerca de quatro mil metros quadrados, o investimento rondaria «um pouco mais de um milhão de euros», salientando que «este executivo já gastou mais de metade do valor no aluguer de tendas para a Feira Ibérica de Turismo». «Isto corresponde a um acto de má gestão», sustentou.
«Esta é a prova cabal de que, na sequência do que nós temos feito, o PS entende que se justifica já a construção de um pavilhão multiusos», respondeu, em declarações aos jornalistas, o vice-presidente. Carlos Monteiro recordou que no início do mandato, em 2013, a primeira preocupação do executivo foi «fazer o equilíbrio financeiro da Câmara Municipal», adiantando que «para a realização da Feira Ibérica de Turismo era mais fácil alugar a tenda do que construir um multiusos». «Claro que que se justifica haver uma estrutura desse género», disse ainda o vice-presidente, informando que «no Plano de Desenvolvimento Urbano consta já lá essa possibilidade de construção de um pavilhão multiusos, mas é uma solução possível para a Guarda a médio prazo».

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close