Advogados de Pedro Dias, suspeito de duplo homicídio, requerem abertura de instrução

Os advogados de Pedro Dias requereram a abertura de instrução do processo e defendem que a acusação deve ser declarada inválida por o arguido não ter sido interrogado, em fase de inquérito, sobre alguns dos crimes de que é acusado.
Pedro Dias é acusado da prática de dois crimes de homicídio qualificado sob a forma consumada, dois crimes de homicídio qualificado sob a forma tentada, três crimes de sequestro, crimes de roubo de automóveis, de armas da GNR e de quantias em dinheiro, bem como de detenção, uso e porte de armas proibidas.
O suspeito de um duplo homicídio em Aguiar da Beira foi presente ao tribunal da Guarda, para primeiro interrogatório, no dia 10 de Novembro de 2016. O primeiro inter-rogatório judicial e aplicação de medidas de coação aconteceram 30 dias após os incidentes em Aguiar da Beira, que culminaram com a morte de três pessoas, um deles um militar da GNR, e dois feridos.
O suspeito, de 44 anos, ficou em prisão preventiva na cadeia da Guarda, mas no dia 12 de Novembro de 2016 foi transferido para a cadeia de alta segurança de Monsanto, em Lisboa.
O requerimento da defesa, a que a agência Lusa teve acesso, sublinha que o arguido não foi informado ou questionado, no primeiro interrogatório, sobre vários crimes de roubo e de detenção de arma proibida de que é acusado. «É obrigatório interrogar o arguido sobre esses crimes», defendem Mónica Quintela e Rui Silva Leal, advogados de defesa de Pedro Dias.
Na perspectiva da de-fesa, está-se perante uma nulidade, sendo que a acusação deve ser «decla-rada inválida, remetendo-se novamente os autos para a fase de inquérito, de modo a que o MP [Ministério Público] proce-da ao interrogatório do arguido relativamente aos crimes mencionados», refere o requerimento, enviado a 24 de Abril.
Segundo o requeri-mento a que a Lusa teve acesso, os advogados Mónica Quintela e Rui Silva Leal contestam ainda a separação de processos relativamente à vítima Liliane Pinto, que acabou por falecer a 12 de Abril, depois de o Ministério Público da Guarda ter deduzido acusação contra Pedro Dias.
O MP promoveu, «por livre iniciativa», a sepa-ração de processos, su-blinham os advogados de Pedro Dias, considerando que está em causa «uma nulidade insanável» e uma inconstitucionalidade. Face a essa separação, os advogados defendem que os autos devem ser devolvidos ao MP, para que este profira «novo despacho final de inquérito», tomando em consideração os factos relativos a Liliane Pinto. A defesa invoca ainda que há ausência de indícios de roubo de dois veículos de que Pedro Dias é acusado, bem como do roubo de uma quantia de dinheiro, quando «nem se sabe se as vítimas eram portadoras de quaisquer quantias».

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close