Agrupamentos de escolas de Almeida e Afonso de Albuquerque com autonomia para escolher como ensinar os alunos

O Agrupamento de Escolas de Almeida e o Agrupamento de Escolas Afonso de Albuquerque, da Guarda, vão integrar um projecto-piloto de flexibilização curricular proposto pelo Ministério da Educação, tendo maior autonomia sobre o que ensinar e como o fazer.
Os dois agrupamentos do distrito fazem parte da lista de 171 escolas públicas que vão ter autonomia curricular. Há ainda 61 escolas privadas e quatro estrangeiras. O projecto será aplicado ao primeiro ano de cada ciclo escolar, ou seja, ao 1º, 5º 7º e 10º ano. Cabe às escolas decidir o número de turmas de cada ano que participa no projecto. O Ministério da Educação afirmou no passado que pretende uma flexibilização curricular, dando autonomia em 25 por cento do currículo às escolas e permitindo um cruzamento de disciplinas e aprofundamento de trabalho experimental.
A lista de escolas a integrar o projecto-piloto foi divulgada na semana passada pelo Ministério da Educação.
As escolas abrangidas terão apenas uma obrigação: a integração na matriz curricular de duas novas áreas: cidadania e desenvolvimento e tecnologias de informação e comunicação (TIC). Se assim o entenderem, vão ter 25 por cento do tempo de aulas para tentar levar por diante novas formas de ensinar. O que, segundo o Governo, poderá passar pela alternância entre estudos tradicionais e semanas em que toda a escola e várias disciplinas se dedicam a trabalhar em conjunto um só tema, como «a Europa» ou a «crise dos refugiados», experiência que segundo o Público está a ser seguida na Finlândia. Em declarações ao jornal Público, o presidente da Confederação Nacional das Associações de Paus, Jorge Ascensão, mostrou-se «apreensivo» pelo facto de nem o ministério nem as escolas estarem a informar os encarregados de educação sobre quem será abrangido por estas mudanças. «Os pais têm o direito de saber o que vai acontecer no próximo ano lectivo e isso não está a acontecer», refere Jorge Ascenção.
A promessa de dar mais autonomia às escolas já tinha sido feita o ano passado pelo secretário de Estado da Educação, João Costa. «Um dos preditores de sucesso é a autonomia e um dos promotores da valorização dos professores é a sua capacidade de participarem na construção do currículo. Já temos isso nas escolas com contrato de autonomia, vale a pena generalizar, dar instrumentos aos professores para gerirem o currículo de forma flexível a partir de um conteúdo nuclear que tem de ser partilhado por todas as escolas para chegar a este referencial de saída que queremos construir», assinalou no ano passado numa conferência em Lisboa.
Com estas alterações que o executivo pretende intro-duzir, «as escolas poderão acrescentar, cortar, gerir tempo, gerir a matriz do currículo», reforçou. João Costa esclareceu na altura que este processo «não implica uma revisão dos documentos, mas olhar para os docu-mentos [que já existem] e fazer seleção entre o que é essencial e o que é flexível, sem mexer nas metas».

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close