Aldeia da Guarda assinala ‘Magusto da Velha’ com castanhas e vinho porta a porta

Pelo segundo ano consecutivo, a junta de freguesia de Aldeia Viçosa, na Guarda, vai assinalar o tradicional ‘Magusto da Velha’, no dia a seguir ao Natal, com distribuição de castanhas e vinho pelas casas, devido à pandemia. Segundo o presidente da Junta de Freguesia, em vez de as castanhas (cerca de 150 quilogramas) serem lançadas do cimo da torre da igreja para o adro, como manda a tradição, serão distribuídas porta a porta, como já aconteceu no ano passado.

As castanhas oferecidas aos moradores serão acompanhadas por vinho que a organização também levará de casa em casa. Devido à pandemia, este ano, também não se realiza o tradicional Madeiro de Natal, que a Junta de Freguesia costuma instalar no largo da igreja e que está associado ao evento.

O presidente da Junta de Freguesia de Aldeia Viçosa, entidade que anualmente, no dia a seguir ao Natal, organiza a iniciativa centenária do ‘Magusto da Velha’, reconhece que a tradição origina “demasiados ajuntamentos” de pessoas para que seja organizada nos moldes tradicionais.

“Como os dados da pandemia estão a ser cada vez piores, não vamos arriscar. De todo o modo, porque há um testamento que é preciso cumprir, nós vamos fazer, à semelhança do que fizemos no ano passado, um pequeno cortejo animado, sob o lema de: ‘Se o povo não vai à ‘velha’, então a ‘velha’ vai ao povo”.

Assim, no próximo Domingo, a partir das 14:00, a autarquia irá a cada casa habitada de Aldeia Viçosa “entregar um quilo de castanhas e beber um tinto, para que o vinho também seja abençoado, como manda a tradição”.

Luís Prata referiu que cada um dos habitantes, após a recepção das castanhas e do vinho, ficará encarregado de “rezar um padre-nosso pela alma da ‘velha’, de modo, também, a agradecer o bom gesto solidário que aquela ‘velha’ teve com os habitantes do Porco [antiga designação da localidade de Aldeia Viçosa], numa Idade Média cheia de fome”, rematou.

A mulher que deu origem à tradição, cujo nome se desconhece, deixou em testamento que naquele dia os habitantes rezassem pela sua alma. A tradição secular do ‘Magusto da Velha’, que a Freguesia pretende ver reconhecido como Património Imaterial, é considerada única no país e no mundo.

Remonta ao século XVII e teve origem numa doação feita por uma mulher abastada, cujo nome se desconhece, para que os habitantes de Aldeia Viçosa pudessem comer castanhas e beber vinho uma vez por ano.

A herança é mencionada no “Livro de Usos e Costumes da Igreja do Lugar de Porco [antiga designação de Aldeia Viçosa] – Ano de 1698”.

PUB

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close