Alexandre Lote quer liderar o PS no distrito da Guarda

Os socialistas têm ultimamente dado a mão à palmatória e admitido que as duas derrotas autárquicas, a última estrondosa, no concelho da Guarda, se devem aos sucessivos erros cometidos pelo PS. «Todos nós somos, de alguma forma responsáveis», admitiu na passada semana Amaral Veiga, mandatário da candidatura de Alexandre Lote, actual vereador em Fornos de Algodres, à liderança da Federação Distrital do PS. Amaral Veiga está convicto de que Alexandre Lote, «acom-panhado por uma equipa competente, reúne as condições indispensáveis para inverter esta situação». «É preciso gente nova para enfrentar esse grande dinossauro da política, que é o presidente da Câmara da Guarda [o social-democrata Álvaro Amaro], e que lhe faça sentir que ele não é o dono do distrito», defende o man-datário.
Este responsável, que desempenha actualmente o cargo de presidente da Mesa da Assembleia Municipal de Trancoso, está também convicto de que se Alexandre Lote ganhar «vai tirar o PS distrital de uma apatia que começa a ser inquietante, que vem caracterizando o PS da Guarda nos últimos tempos».
Na sessão de apresentação da sua candidatura à liderança da Federação distrital, Alexandre Lote explicou que se apresenta às eleições porque sente que «o distrito precisa de um PS mais forte, mais aberto, mais próximo dos militantes». «Esta não é uma candidatura contra ninguém, estamos aqui para somar e não para subtrair», afirmou, salientando que se não se trata de nenhum «projecto pessoal». «O que me motiva é disponibilizar a minha capacidade, a minha experiência, enquanto autarca, enquanto miltante de base, no sentido de desenvolver as concelhias numa estratégia de proximidade», acrescentou.
Deixou também claro que não será candidato «a qualquer lugar de deputado ou de qualquer outra instituição que possa haver por aí, porque estou na política para servir as pessoas».
A sua estratégia para o partido passa pela valorização da militância, aproximação do PS aos cidadãos e pela participação dos militantes. Alexandre Lote quer apostar «na modernização do partido, ter em cada concelho verdadeiras concelhias a discutir política», assim como «saber comunicar [com os militantes], sem se restringir às redes sociais». O candidato à liderança do PS assume também como compromisso que a sua «equipa tem que deixar a sua marca que perdurará por muitos anos em todo este distrito».
Questionado sobre Pedro Fonseca (actual vereador na Câmara da Guarda) que deverá apresentar amanhã a sua candidatura à liderança distrital, Alexandre Lote respondeu assim: «Quem achar que está em condições ser presidente da Federação que se apresente, que apresente os apoios, as suas ideias e cá estaremos para discutir. Não conheço o Pedro, conheço-o de ser vereador da Câmara Municipal, mas nunca privei com ele. » Amaral Veiga e Anselmo Sousa, autarca da Meda que também estava na mesa de apresentação da candidatura, afirmaram que não sabem quem é Pedro Fonseca.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close