Aluno e professores da Guarda desenvolvem aplicação que avalia risco de contágio

Uma equipa de especialistas nacionais e internacionais, que inclui um aluno e dois professores do Instituto Politécnico da Guarda, desenvolveu uma tecnologia que permite verificar o risco de contágio pela Covid-19 em espaços públicos e privados. Segundo Pedro Gomes, mentor e coordenador do projecto, a aplicação “Camlion” (Camera Learning Vision) destina-se a ser usada «por entidades públicas e privadas, que tenham fluxo de pessoas no seu espaço». «O objectivo é a detecção de comportamentos de risco e a combinação dos mesmos com variáveis ambientais e geográficas de forma a conseguir determinar precisamente o risco de contágio naquele local», explicou o responsável à agência Lusa.
De acordo com Pedro Gomes, de 22 anos, residente na Covilhã e aluno do curso de Cibersegurança no Instituto Politécnico da Guarda (IPG), o sistema “Camlion” é «compatível com qualquer dispositivo de recolha de imagem digital fixo (câmaras de segurança e câmaras fixas) e pode ser instalado de forma simples nos edifícios existentes». «Uma das nossas prioridades foi a privacidade e asseguramos que o nosso “software” não guarda qualquer dado pessoal ou tipo de identificação», disse.
O sistema «adapta-se tanto a computador como a “smartphone” e gera alertas quando é detectado um grande aglomerado de pessoas ou se o risco de contágio na área é elevado». «Em cima da mesa está também o desenvolvimento de uma “app” [aplicação] que seria disponibilizada ao público em geral, na qual seria possível ver o nível de risco nos espaços», adiantou.
De acordo com o mentor do projecto, «a facilidade de aplicação e a privacidade são os principais pontos» da tecnologia, cujo protótipo foi desenvolvido numa semana.
Pedro Gomes assume que a ideia ganha maior relevo numa altura em que os vários países estudam formas de levantar os confinamentos e «tem de haver garantias mínimas de segurança em espaços públicos». «Além disso, vai ajudar as instituições a organizarem os seus espaços de forma a minimizar o risco de transmissão [de Covid-19]», remata.
Com a aplicação desenvolvida pela equipa multidisciplinar liderada pelo estudante do IPG, é criado «um mapa de risco, fácil de perceber, onde são representadas as áreas de maior concentração de pessoas nos locais para que se possa planear o espaço de forma a evitar situações» que podem aumentar o risco de contágio.
A ideia foi apresentada no Hackathon Pan-Europeu #EUvsVirus, realizado no fim-de-semana pela União Europeia para encontrar soluções para serem aplicadas em tempos de pandemia e o retorno obtido «foi muito bom». «Neste momento, estamos à procura de empresas ou entidades públicas que queiram colaborar com o projecto. Ainda estamos limitados em termos de equipamentos, desenvolvemos tudo a partir de casa, com os nossos computadores pessoais, mas a aplicação funciona e com a ajuda certa pode ser aplicada em grande escala, tanto a nível nacional como a nível europeu visto que respeita o regulamento de protecção de dados», disse.
A equipa que desenvolveu o projecto, para além de Pedro Gomes, inclui Fernando Melo Rodrigues e Filipe Caetano (professores no IPG), Pedro Coelho (aluno no Instituto Superior Técnico), Clarissa Pereira e Dimeji Mudele (especialistas em Computer Vision) e Leticia Lucero (investigadora de biologia molecular e celular).

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close