Álvaro Amaro, Carlos Monteiro, Victor Amaral e dois funcionários da Câmara da Guarda acusados de fraude e prevaricação

Novo caso envolve a Câmara da Guarda. De acordo com a SIC, o recém-eleito eurodeputado Álvaro Amaro, o actual presidente da autarquia, Carlos Chaves Monteiro; o vereador da cultura, Víctor Amaral, e duas técnicas superiores, Alexandra Isidro e Carla Morgado, vão responder por fraude na obtenção de subsídio e prevaricação. Segundo a SIC, em causa está o financiamento do evento carnavalesco “Guarda Folia”, em 2014, em que a autarquia é suspeita de ter recorrido ao grupo Aquilo, então presidido por Carla Morgado, para conseguir um apoio comunitário de mais de 50 mil euros para a actividade perante a impossibilidade de o mesmo ser obtido através da empresa municipal Culturguarda.
Com data de 30 de Maio, o despacho de acusação é do Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Coimbra e propõe a perda de mandato para o ex-autarca, o então vice-presidente da Câmara e o vereador da Cultura caso sejam condenados. O Ministério Público defende ainda que as funcionárias visadas sejam proibidas de exercer funções.
À SIC, Carlos Chaves Monteiro declarou que está a ponderar requerer a abertura da instrução.

Comentar

. logged in para comentar.

Artigos relacionados

SiteLock

Voltar para o topo

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close