Álvaro Amaro quer Guarda como «grande plataforma» ferroviária

O presidente da Câmara da Guarda considera que a cidade tem condições para ser a «grande plataforma ferroviária de transporte de mercadorias», tendo em conta o cruzamento do corredor norte e da linha da Beira Baixa. «Estamos num momento histórico para o desenvolvimento da Guarda no que à ferrovia diz respeito. A Guarda tem que ser a grande plataforma ferroviária de transporte de mercadorias, naturalmente pois também de pessoas, mas agora do que estamos a falar é da economia», disse o autarca Álvaro Amaro (PSD/CDS-PP).
O presidente da autarquia da Guarda esteve no dia 15 na reunião do Conselho Regional do Centro, em Castelo Branco, onde o ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, anunciou a requalificação da linha da Beira Alta e a electrificação da linha da Beira Baixa, entre Covilhã e Guarda.
O governante adiantou que o investimento global para as ferrovias está desenhado para os próximos cinco a seis anos, num investimento que terá apoio comunitário superior a mil milhões de euros, cujo investimento global anual será na ordem dos 460 milhões de euros e irá criar ao longo destes anos 6.500 postos de trabalho.
Para o presidente da Câmara da Guarda, a cidade «tem que ser a grande plataforma entre os cruzamentos da linha da Beira Alta, ou melhor, o chamado eixo [corredor] norte da ferrovia portuguesa, que concorre em termos económicos com o chamado eixo sul», Sines/Caia. «Este é um eixo importante, mas nós, na Guarda, temos que ser a grande plataforma daquilo que é o eixo norte mais a linha da Beira Baixa. É aqui que se encontra. Mas tem que ser aqui na Guarda», defende.
Álvaro Amaro explicou que o corredor norte será, de acordo com o Governo, constituído por duas componentes importantes: o corredor Aveiro/Mangualde (seguindo por Fornos de Algodres, Celorico da Beira, Guarda e Vilar Formoso) e a modernização da linha da Beira Alta entre Pampilhosa/Mangualde (até Vilar Formoso). «Para uma região Centro forte, como eu tive oportunidade de dizer nesse Conselho da Região, nós não podemos andar a disputar qual destes dois troços é o mais importante. São os dois. O Governo assumiu que iria propor o financiamento para os dois», observou.
Em sua opinião, «para uma região Centro mais competitiva, é importante a linha da Beira Alta, mas é igualmente importante não desperdiçar o eixo Aveiro/Mangualde». O autarca referiu que defenderá «a compatibilização tecnicamente possível das duas componentes do chamado eixo norte, ou seja do [corredor] Aveiro/Mangualde e do [corredor] Pampilhosa/Mangualde, entenda-se a requalificação da linha da Beira Alta». «Ou seja, nós não podemos perder, em termos de coesão do território, a importância da linha da Beira Alta, mas também não podemos perder, em termos da competitividade da economia, aquilo que vem da economia de Aveiro e do porto de Aveiro», concluiu.

Comentar

. logged in para comentar.

Artigos relacionados

SiteLock

Voltar para o topo

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close