Ana Abrunhosa afirma que a reactivação da Linha do Douro até Barca d’Alva é desígnio e vai ser concretizada

A ministra da Coesão Territorial, Ana Abrunhosa, afirmou Terça-feira que a reactivação da Linha do Douro até Barca d’Alva é um desígnio deste território que vai ser concretizado. «Será certamente importante fazermos e vamos fazer a Linha do Douro. É um desígnio deste território e mal andaria o Governo, ou os Governo, que não apoiassem o projecto da Linha do Douro», afirmou Ana Abrunhosa, que falava na sessão de encerramento da cerimónia evocativa dos 20 anos do Douro Património Mundial.

Mas, segundo a ministra, não se trata apenas da reactivação entre até Barca d’Alva. «Porque nós também temos de ter a capacidade de convencer os nossos irmãos do outro lado da fronteira de como é importante esta linha até Salamanca. Pode não ser um trabalho fácil, mas nós, que andamos na vida pública e política, sabemos muito bem como a navegabilidade do Douro há uns anos era um sonho e hoje é uma realidade e como muitos sonhos, felizmente, graças a este património da Humanidade se transformaram em realidade», afirmou.

A reactivação da Linha do Douro entre o Pocinho e Barca d’Alva e posterior ligação a Espanha é uma reivindicação antiga deste território e, por isso, o anúncio da governante foi acompanhado de uma salva de palmas por parte da plateia que assistia à cerimónia que decorreu em Lamego, distrito de Viseu.

A Assembleia da República aprovou em Março, por unanimidade, os projectos de resolução do BE, PAN, PSD, PCP e PEV que defendem a requalificação da Linha do Douro, a reabertura do troço Pocinho – Barca d´Alva e a reativação da ligação a Espanha.

Em Maio de 2021 foi formalizado o grupo de trabalho que está a estudar e definir o modelo de reabertura do troço ferroviário de 28 quilómetros, entre o Pocinho e Barca d’Alva que foi encerrado em 1988, estando prevista a apresentação as conclusões até ao Verão. A Linha do Douro desenvolve-se ao longo de 191 quilómetros, de Ermesinde (Porto) a Barca d´Alva (Guarda).

No seu discurso, a ministra referiu ainda que durante o Quadro de Referência Estratégico Nacional (QREN) e o Portugal 2020 foram aplicados cerca «de 1.100 milhões de euro de fundos comunitários» na região do Douro. O que, segundo Ana Abrunhosa, se concretizou «graças à gestão da CCDR-N, às instituições, municípios, empresas e aos durienses».

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close