Aparições de Fátima em destaque no próximo colóquio sobre granito cinzento de Pinhel

As aparições de Fátima, que em 2017 comemoram o seu centenário, vão estar em destaque no próximo colóquio organizado pelo Centro Social e Cultural da Paróquia de Pinhel (CSCPP), no âmbito do ciclo que está a promover anualmente, desde 2011, com o objectivo de promover o estudo, o conhecimento e a divulgação do património natural, histórico, religioso e cultural local.
«Fátima tem muito a ver com o país e naturalmente com o concelho e arciprestado de Pinhel em específico, não há localidade nenhuma onde esse assunto não esteja bem presente, por isso no próximo ano a temática terá a ver com Fátima, com as aparições», revela Manuel Neves, presidente do CSCPP e dinamizador deste ciclo de colóquios, que este ano decorreu Sexta-feira e Sábado no auditório da Câmara de Pinhel e incidiu de modo particular sobre um dos mais importantes recursos naturais daquele concelho, o granito.
Ainda que o objectivo do colóquio não seja apresentar conclusões, se bem que esteja «sempre prevista a publicação das comunicações para maior abrangência de público», «claramente se concluiu que de facto o granito de Pinhel é uma riqueza patrimonial», adianta Manuel Neves. «No que se refere ao património edificado, a distinção que poderemos de certo fazer é que no passado o granito que era usado era o que se encontrava à superfície, por isso um pouco mais amarelado, e agora, devido aos tempos, à capacidade no que se refere a maquinaria e capacidade de exploração, a profundidade das pedreiras leva a que se obtenha granito cinzento», explica. «Mas a nível de riqueza patrimonial, como é característico aqui na nossa região, e certamente de outra, esse granito é uma mais-valia», reforça.
Pinhel «é riquíssimo em património», afirma Manuel Neves. E concretiza com dois exemplos bastante significativos. «Entre as sete ou oito pias medievais que são conhecidas em todo o país, três estão aqui [Pinhel]. Se falarmos, e foi um tema apresentado [neste colóquio], sobre as gravuras e pinturas no Côa no que se refere à Faia, que é uma zona que fica no limite de Cidadelhe, também são únicas. É uma coisa impressionante porque são pintadas no granito e conservam-se. Isso é uma coisa única, raríssima», classifica.
Daí que «certamente a questão do património continua» em destaque no próximo colóquio, «além da questão do centenário [das aparições de Fátima, a 13 de Maio de 1917]», e nos que lhe seguirão, finaliza Manuel Neves.
GM

Comentar

. logged in para comentar.

Artigos relacionados

SiteLock

Voltar para o topo

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close