As empresas foram à escola “caçar talentos”

SONY DSC

Várias empresas e organizações partici-param na semana passada na primeira edição do Business Day da Escola Superior de Turismo e Hotelaria de Seia, do Politécnico da Guarda, uma iniciativa que proporciou uma aproximação entre os alunos e os eventuais futuros empregadores. As empresas deram a conhecer as suas marcas e apresentaram aos alunos as suas propostas de recruta-mento e estágios. A iniciativa funcionou como uma espécie de “caça talentos”.

A Escola Superior de Turismo e Hote-laria (ESTH) de Seia, do Instituto Politécnico da Guarda, recebeu na Quarta-feira da semana passada representantes de várias empresas e organizações que deram a conhecer aos estudantes as suas propostas de recrutamento e programas de estágios. A iniciativa, deno-minada Business Day, proporciou uma troca de informações entre os alunos e os seus possíveis futuros empregadores. O projecto decorreu sob a forma de palestras, workshops e entrevistas orientadas para a inserção no mercado de trabalho. As empresas participantes na iniciativa reconhecem a mais valia deste tipo de eventos, encarando-os como uma possibilidade de identificar e captar os melhores. Entre as empresas participantes estava o Grupo Pestana que detém e gere um conjunto vasto de equipamen-tos turísticos e hoteleiros em Portugal e no estrangeiro. Jenifer Ferreira, uma das representantes do grupo na iniciativa da ESTH, entende que é uma «boa parceria» e que «tem funcionado muito bem». O Grupo Pestana divulgou os seus produtos e o conjunto de vagas disponível e as condições oferecidas e os estudantes poderam apresentar a sua candidatura. O maior número de vagas disponível é na área da Restauração. A empresa Sup in River também foi dar a conhecer as suas actividades. Rita Soares explicou que a empresa está à procura de alguém que se identifique com as actividades que desenvolve junto aos rios e espelhos de água sobretudo na região Centro. Já o director de operações do grupo IMB Natura, com hotéis na Guarda, na Covilhã e Unhais da Serra, justifica a participação na iniciativa da ESTH como uma tentativa de atrair os alunos para os seus estágios em várias áreas. «Sabemos que a tendência dos alunos é para sairem do país e nós vimos demonstrar os nossos produtos e que há potencialidades na região», sublinha José Pedro Florinto. O grupo procura sobretudo «alunos que tenham vontade de aprender e de progredir na carreira. É óbvio que nenhum dos alunos vai entrar como assistente de direcção ou director de hotel. Terá de fazer aquilo que nós chamamos passo a passo. Entrar pela recepção ou pela restauração ou pelas comidas e bebidas e dar oportinidade de crescer, isso depende da vontade de cada um. Nós damos as oportunidades e depois vão ter que aproveitar».

Boas instalações para pôr
em prática os conhecimentos
Para o director da ESTH, Adriano Azevedo Costa, o Business Day foi uma iniciativa «muito boa» para os alunos, porque «lhes deu a oportunidade de estarem em contacto com o mercado de trabalho». E para os empre-gadores também foi uma possibilidade de escolher «os melhores para trabalhar nas suas organizações». O dirigente considera que as empresas estiveram presentes na iniciativa porque reconhecem que «só com mão de obra altamente qualificada é que podem prestar serviços de qualidade. E nós estamos no bom caminho». A formação da ESTH distingue-se por proporcionar aos alunos a prática em contexto real e em instalações preparadas especifi-camente para as várias temáticas curriculares. E também pelo facto do corpo docente integrar «chefs de cozinha conceituados da região». «Os chefs gostam de participar porque é uma possibilidade de poder identificar os melhores elementos para trabalhar com eles. É uma espécie de caça talentos», argumenta o director da ESTH.
Um dos exemplos é Rui Cerveira, chef de cozinha que lecciona na ESTH. O chef realça as condições «fan-tásticas» da escola para a compoente prática da forma-ção, nomeadamente a nível de laboratórios e cozinha. «Permite dar aulas de forma diferente. É um prazer poder trabalhar assim. Poder tra-balhar com vários postos e ter um ritmo de trabalho é comple-tamente diferente do que ter 20 alunos à volta de um fogão», exemplifica.
EG

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close