Assembleia Municipal aprova por unanimidade nova estrutura orgânica da Câmara da Guarda

A Assembleia Municipal (AM) da Guarda aprovou hoje, por unanimidade, a nova estrutura orgânica do município, que prevê um total de dez divisões e irá dar resposta aos processos pendentes que rondam os 45 mil. A nova estrutura orgânica, que tinha sido aprovada, também por unanimidade, na reunião do executivo do dia 18, foi elaborada para que a autarquia possa prestar «um melhor serviço», segundo o seu presidente, Sérgio Costa (Pela Guarda – PG).

“Eu cito apenas aqui um número que nos deve fazer repensar a todos. Sabem qual é o número de processos pendentes de resposta dentro do município? Nós já temos meio ano de responsabilidade também, é bom que se diga. Nos últimos anos, processos pendentes de resposta dentro da Câmara da Guarda, está aqui, na auditoria, 45 mil, em toda a esfera municipal», disse hoje o autarca, durante a discussão do assunto na reunião da AM. Segundo Sérgio Costa, «uma grande maioria deles [dos processos] é simplesmente fazer um simples despacho para os resolver». «Mas, entre todas as divisões, entre todos os serviços e entre todos os gabinetes, são 44.543. É isto que está plasmado na auditoria. E é isto que nós nos propomos, ao longo dos próximos três anos e meio/quatro anos, combater».

Referiu que «grande parte» das divisões actuais «são praticamente ingovernáveis», sendo impossível que uma única pessoa de chefia, com uma média de 85 recursos humanos, dê despacho a «tantas e tantas situações» que diariamente são solicitadas ao município da cidade mais alta do país. Acrescentou que a autarquia tem, de momento, 27 chefias informais que «nunca podem ser responsabilizadas pelos seus actos», porque não estão designadas oficialmente como tal. Também deu o exemplo dos transportes, das obras e da água e saneamento, que dependem de três divisões em simultâneo.

Quanto aos Serviços Municipalizados, que foram extintos no final de 2017, lembrou que não votou essa decisão, mas prometeu que «daqui a alguns meses» será realizada «uma pequena revisão à lei orgânica para constituição dos Serviços Municipalizados». «É esse o nosso compromisso para o futuro», rematou Sérgio Costa.

A lei orgânica hoje aprovada pela AM inclui a criação de dez divisões, sendo quatro novas: administrativa e recursos humanos; financeira e aprovisionamentos; mobilidade (nova); planeamento e gestão urbanística; obras públicas, equipamentos e infraestruturas; ambiente (nova); educação, intervenção social e juventude; desporto e saúde (nova); economia e turismo (nova); cultura.

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close