Assembleia Municipal da Guarda defende construção da barragem do Luzelo

A Assembleia Municipal da Guarda aprovou hoje uma moção, por maioria, que defende que seja retomada a construção da barragem do Luzelo, naquele concelho, para retenção de água e para fomentar o regadio agrícola. A moção foi apresentada pela deputada Cláudia Guedes (CDS-PP), por verificar que a região da Guarda «é muito afectada pela seca que assola o país» e por considerar «urgente um plano de armazenamento de água que permita, em todo o território, a sua reserva e armazenamento».

Segundo o texto da moção, «existe um estudo que prevê a construção de reservatórios de água para a região, através da construção da barragem do Luzelo, na zona do Adão, cujo projecto, quanto se pode constatar, se encontra parado».

Cláudia Guedes referiu que a barragem «enquadra-se no programa de novos regadios colectivos» e tem como objectivo «o incremento local das actividades agrícolas (…) por forma a dar resposta às carências e dificuldades verificadas na região, que necessita, inevitavelmente, de investimentos que potenciem o seu desenvolvimento».

A barragem está projectada para o ribeiro do Luzelo, na área das freguesias de Vila Fernando e Adão, e “tem como principal objectivo assegurar o regadio numa área imediatamente a jusante, já localizada quase exclusivamente na freguesia do Marmeleiro”, estimando-se que servisse um perímetro agrícola de 140 hectares.

A moção também propôs que «sejam construídos pequenos açudes nos cursos de água do concelho, consoante os contributos que o município deu na consulta pública do programa nacional de regadios».

O presidente da Assembleia Municipal da Guarda, José Relva (Movimento Pela Guarda), colocou os dois pontos da moção a votação separada. O primeiro ponto (para que «seja retomada de imediato e com carácter prioritário a construção da barragem do Luzelo») foi aprovado por maioria, com 65 votos a favor e 13 abstenções, e o segundo (relacionado com a construção de açudes no concelho), por unanimidade.

Sobre este assunto, o presidente da Câmara Municipal da Guarda, Sérgio Costa (Movimento Pela Guarda), referiu que, no âmbito do plano de regadios 2030, a autarquia defendeu a construção da barragem do Luzelo e que se iniciem os estudos para regadios no Vale do Mondego e na zona sul do concelho (Valhelhas, Gonçalo, Vela e Vale da Teixeira).

No período de antes da ordem do dia da Assembleia Municipal da Guarda, também foram aprovadas duas moções, entre outras, apresentadas por Bárbara Xavier (BE), sobre a necessidade de a autarquia recuperar os parques infantis e a sua adaptação para utilização por crianças com deficiências e o Dia Internacional da Mulher.

O deputado Pedro Pinto (PS) propôs a aplicação de um plano “Guarda 5.0”, com o envolvimento do município, do Instituto Politécnico local e da Associação Empresarial NERGA, para a aplicação de várias medidas, incluindo a criação de uma incubadora de empresas, um programa de atracção de empresas tecnológicas e a realização, na Guarda, do I Encontro dos Jovens Nómadas Digitais de Portugal.

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close