Ataque ao Capitólio

Desde há um ano assistimos a algo inconcebível em termos de democracia quando o Elon Musk sugeriu que os EUA «darão golpes de estado em quem quiserem». Acontecia na Bolívia um país sul-americano rico em lítio, cujo presidente quer resgatar a exportação do material para reviver o crescimento económico. Aconteceu sem se dar notícia dos perigos agravados, que correm os estados nas mãos dos homens de negócios que buscam maximizar e assegurar lucros máximos. Por isso, Evo Morales, o ex-presidente e Luís Arce chamam à crise política do país no final de 2019 de “golpe do lítio”.

Dizem-me os jornais.

Entretanto, há dias o símbolo da Democracia Americana, o Capitólio, foi alvo de um assalto, que foi filmado em direto, evidenciando as falhas de segurança que o permitiram por manifestantes pró-Trump. São estas que estão a levantar preocupações quanto à tomada de posse de Joe Biden, marcada para 20 de janeiro, ou seja, ontem. E quando escrevo este texto, apoiado em notícias recolhidas na Internet não sei o que aconteceu. Sei apenas que o comportamento atual dos republicanos americanos é preocupante quando apoiam acriticamente o comportamento de Donald Trump.

Sei apenas e confirmo-o que as chamas que em 27 de fevereiro de 1933 queimaram o Reichstag em Berlim, fragilizaram a democracia alemã, já que Adolfo Hitler soube usar o ataque para ampliar, consolidar o seu poder e lançar o mundo numa guerra que nos entristece pelas suas consequências na Humanidade.

Tudo agora é ainda mais perigosamente agravado pela Pandemia, que os enormes recursos da Ciência e Tecnologia não conseguem dominar, tornando-nos a todos prisioneiros da crise económica provocada pelo confinamento e, mais ainda, pela ameaça omnipresente do COVID 19 que a vontade de viver sem limites de alguns nos impõe.

Agrava tudo a evidente incapacidade dos governos democráticos de convencerem os cidadãos de que têm de ter comportamentos responsáveis, falhando eles logo no momento de nos imporem regras logo complicadas e tornadas lassas pelas muitas exceções que logo se listam. Não admira que alguns avancem já com a hipótese de que o mundo acabará desta forma, transformando-se a pandemia num colapso social.

Como esperança, alguns recordam que antes do nazismo e do fascismo, houve uma pneumónica, que matou um número indefinido de pessoas e acabou por desaparecer sem deixar rasto que nos desse indicações de como a combater quando retornasse a existir. Bem pelo contrário os males que a Erupção da Monarquia do Norte trouxe em 1919 à Guarda, Vila Flor, Bragança e bem graves ao Porto, foram esquecidos para impedir que quaisquer inimigos da democracia pudessem ser entendidos para atalhar a sua repetição.

Trabalham neste sentido o esquecimento que a nossa frágil memória traz consigo, acompanhada por uma propagandeada vontade de atirar tudo para trás das costas e prosseguir uma vida descuidada, sem nunca resolver os problemas, varrendo-os como lixo para debaixo do tapete.

Fizemo-lo quando afastámos José Sócrates do poder sem o julgarmos e o mesmo fizemos com Pedro Passos Coelho, que desapareceu sem que ninguém explicasse a privatização desnecessária da TAP que já reapareceu agora como buraco enorme para as finanças públicas taparem, acompanhando assim a cratera financeira do BES e doutros bancos.

Só se fala do COLAPSO eminente do Serviço Nacional de Saúde, e sempre sem ninguém inquirir por que razão lhe faltam os recursos humanos e materiais, que explicam bem a catástrofe próxima que alguns dizem adivinhar, mas não querem esclarecer.

Só me dizem que tenho o dever geral de recolhimento domiciliário nas próximas duas semanas e que cuide de mim e dos outros. E não me dizem mais nada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close