Aumento de empresas PME Excelência «era bom sinal para a região»

Em 2015 foram 22, o ano passado 17 as empresas distinguidas com o estatuto PME Excelência no distrito da Guarda. Apenas 6 constam da lista de empresas Gazela 2016. Números que estão longe de representar o tecido empresarial da região, constituído por cerca de 9 mil empresas, 90 por cento das quais micro empresas. As grandes empresas contam-se pelos dedos.

Gabriela Marujo
gabmarujo.terrasdabeira@gmpress.pt

Das cerca de 9 mil empresas instaladas no distrito da Guarda apenas 6 são Gazela [correspon-de a empresas jovens e com elevados ritmos de crescimento, sustentados ao longo do tempo] e 17 foram distinguidas com o estatuto PME Excelência [que tem como objectivo conferir notoriedade] no ano passado. Números que «não têm expressão» mas Pedro Tavares diz ser «normal».
«Não é só nos números do distrito da Guarda, se virmos inclusivamente em toda a região Centro o número do que são empresas Gazela é diminuto em relação ao universo de empresas que estão instaladas. Percentualmente não sei mas certamente nem sequer ao 1 por cento chegará», esclarece o presidente da direcção da Associação Empresarial da Região da Guarda – Nerga.
E explica que «tem a ver com os critérios do que é ou da importância do que é uma empresa Gazela». Ou seja, «é importante que haja empresas que no fundo têm crescimentos tão rápidos, mas sustentar esses crescimentos também não é fácil. As empresas, pelo menos pelo estatutos, têm que ser empresas jovens, mais ou menos recém-criadas, e portanto é normal que essas empresas tenham um crescimento exponencial e se transformem em empresas Gazela».
«Mas elas não são de maneira nenhuma mais importantes do que as empresas que já estão instaladas e que não têm essa conotação», sublinha Pedro Tavares.
No caso do estatuto PME Excelência «é diferente». «No fundo é um prémio que é dado às empresas que têm os rácios económicos melhores. Aliás, há dois estatutos, o PME Líder e o PME Excelência, que são rácios muito bons, e é no fundo um selo, um prémio que é dado às empresas que o atingem e que têm esse mérito».
«É um estatuto, para mim, mais importante do que é ser empresa Gazela», considera.
É igualmente normal, em seu entender, o decréscimo do número de PME Excelência, que passou de 22 em 2015 para 17 em 2016. «As empresas dependem dos mercados e os mercados oscilam, é natural que num ano baixem quatro, no ano a seguir subam seis, portanto, é natural que neste universo haja essas oscilações», argumenta.
Normal mas longe do desejável. «Era bom que este número fosse dobrado ou triplicado porque era bom sinal para a região. Acho que é um número muito baixo só 17 PME Excelência», considera Pedro Tavares, afirmando que «este [número] mostra muito mais o estado das empresas locais do que propriamente termos ou não termos empresas Gazela».
Estes números estão no entanto longe de representar o tecido empresarial do distrito da Guarda. «É pequeno, continua a diminuir, mas o número não pode ser lido só pelas PME Excelência. Certamente pelas PME Líder o número é certamente muito maior, portanto aí daríamos um mapeamento muito mais real do que são as empresas na nossa zona, mas a verdade é que é uma zona onde se continua a desinvestir e não a investir e isso nota-se todos os dias na redução da população que esta região está a ter e que é desastroso», lamenta Pedro Tavares.
Das cerca de 9 mil empresas instaladas no distrito, «90 por cento» são micro (até 10 empregados), seguindo as pequenas e médias empresas.
«Grandes empresas na região contam-se pelos dedos, infelizmente. Era preciso maiores empresas porque geralmente impulsionam depois outras empresas pequenas que, no fundo, são suas fornecedores e geram uma economia circundante muito alta. Mas infelizmente, essas empresas tendem a ir para o Litoral e nós desde que saiu a Delphi [fábrica de componentes e acessórios para veículos automóveis e seus motores, na Guarda] que continuamos à espera de uma grande empresa», destaca.
«Felizmente ficou a Coficab, mas a Coficab nunca teve a nível de empregabilidade a dimensão que chegou a ter a Delphi», conclui Pedro Tavares.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close