Autarca de Almeida discorda da solução escolhida para revitalização da zona comercial de Vilar Formoso, mas vai aprovar o projecto

A maioria dos habitantes de Vilar Formoso que participou na votação do projecto de revitalização da zona comercial de Vilar Formoso escolheu manter o trânsito nos dois sentidos na Rua do Comércio. A opção não era a defendida pelo presidente da Câmara de Almeida, mas o autarca garante que vai aprovar o projecto. António Batista Ribeiro enten-de que a solução que previa trânsito em sentido único descen-dente era a que melhor servia os interesses daquela localidade, nomea-damente os dos comerciantes.

Elisabete Gonçalves
elisagoncalves.terrasdabeira@gmpress.pt

s habitantes e comerciantes de Vilar Formoso, no concelho de Almeida, decidiram manter a Rua do Comércio com o trânsito nos dois sentidos. A Câmara Municipal de Almeida colocou em consulta pública a revitalização da zona comercial daquela vila apresentando três alternativas, com as opções do trânsito a ser feito em sentido ascendente ou em sentido descendente, mas a solução mais votada foi a de manter a circulação nos dois sentidos. A votação decorreu durante um mês na Junta de Freguesia de Vilar Formoso, onde estavam disponíveis mapas explicativos das intervenções propostas. Participaram mais de 500 pessoas. A votação esteve aberta a maiores de 18 anos com habitação ou comércio em Vilar Formoso.
O presidente da Câmara Municipal de Almeida, António Batista Ribeiro, disse ao TB que vai aprovar o projecto, mas ressalva que irá fazer uma declaração de voto por entender que a soulção escolhida não é a que serve os interesses da população, nomeadamente dos comerciantes. O autarca defendia a opção que previa o trânsito em sentido único descendente, do Largo da Estação para a Avenida das Tílias, a segunda solução mais votada. «Seria a melhor opção porque é sabido que os passeios na Rua do Comércio sofrem um estrangulamento o que condiciona a mobilidade dos peões», argumenta o autarca, acrescentando que «os principais interessados seriam os comerciantes», mas foram eles que mais se «mobilizaram» para que fosse votada aquela opção. Batista Ribeiro considera ainda que o trânsito em sentido único seria uma «opção de futuro» e «assim será mais do mesmo». «Vamos limitar-nos a maquilhar aquele espaço», sublinha. O autarca entende que a Rua do Comércio poderia ficar «com outra dignidade e outra utilidade», garantindo «maior e melhor mobilidade», lembrando que até seria possível «enterrar algumas infraestruturas». Considera ser «uma intervenção extremamente necessária, mas podia ficar melhor. Assim fica um projecto coxo», remata.
A solução defendida pelo autarca previa a construção de passeios com uma largura livre não inferior a 1,5 metro, com a colocação de mobiliário urbano, valorizando a componente pedonal da intervenção bem com a criação de zonas verdes e construção de uma nova rotunda junto às bombas de combustível da Repsol, tal como explicou o arquitecto Luis Martins na Assembleia Municipal onde foi apresentado o estudo prévio.
Para além da Rua do Comércio, o projecto prevê intervenções por forma a melhorar o tráfego automóvel e estacionamento nas zonas envolventes. O assunto deverá voltar a ser discutido na próxima Assembleia Municipal.
Investimento sem comparticipação comunitária
O autarca estima que a intervenção deva exigir um investimento de cerca de um milhão de euros. A autarquia vai avançar com a intervenção sem qualquer financiamento comunitário uma vez que as medidas previstas para a regeneração urbana não se aplicam ao caso de Vilar Formoso. O autarca ainda tem expectativa de que tal como no passado possa haver alguma medida do Portugal 2020 destinada à revitalização das zonas comerciais. «Se assim for temos um trabalho feito», refere o presidente da Câmara de Almeida.
O presidente da Comunidade Intermunicipal das Beiras e Serra da Estrela, Paulo Fernandes, já tinha assinalado o facto dos programas de regeneração urbana preverem apenas intervenções nas sedes de concelho. Na semana passada, em conferência de imprensa, Paulo Fernandes chegou mesmo a referir-se ao caso de Almeida, pelo facto de não ser possível ao município candidatar intervenções a realizar em Vilar Formoso.

Comentar

. logged in para comentar.

Artigos relacionados

SiteLock

Voltar para o topo

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close