Autarcas de Almeida não reuniram com administração da CGD, população não desiste do protesto

O presidente e o vice-presidente da Câmara de Almeida deslocaram-se hoje a Lisboa para uma reunião com a administração da Caixa Geral de Depósitos (CGD), mas o encontro não aconteceu e a população mantém o protesto.
O vice-presidente da Câmara Municipal de Almeida, Alberto Morgado, disse à agência Lusa que estava marcada uma reunião com a administração da CGD para as 18:00, que não aconteceu porque só se realizaria se a população abandonasse as instalações do balcão em Almeida, Guarda, que ocupa pacificamente desde as 14:30.
“Não houve reunião com a administração, houve com o diretor central”, disse o autarca, adiantando que os administradores “puseram exigências relativamente à saída da população da CGD [de Almeida], mas isto não tem nada a ver com a Câmara Municipal, [e] o senhor presidente, naturalmente, que não tinha condições para fazer uma coisa dessas”, contou, alegando tratar-se de uma manifestação “espontânea”, que não foi organizada pela autarquia.
Entretanto, segundo Alberto Morgado, o presidente da Câmara, “exigiu que lhe fosse garantido” que os serviços de tesouraria continuariam na agência de Almeida. “E eles [CGD] como também não garantiram isso previamente, acabou por não haver reunião, lamentavelmente”, rematou o vice-presidente.
Após a reunião, Alberto Morgado disse à Lusa que ele e o presidente da autarquia, António Batista Ribeiro, se deslocariam para Almeida onde, à chegada, tencionavam “reunir com as pessoas” que participam no protesto pacífico.
“A população não sai de lá. Nós vamos diretos para Almeida”, garantiu, explicando que não ficou marcada nova reunião com a CGD, embora tenha sido manifestada “abertura para diálogo”. No entanto, como os dirigentes da CGD “não garantiram o serviço de tesouraria” no balcão de Almeida, o autarca assegura que “a luta continua” e “as pessoas não querem sair, não querem desmobilizar”.
Habitantes de Almeida estão hoje concentrados no interior e no exterior do balcão da CGD, num protesto pacífico, contra o eventual fecho daquela agência na sede do concelho.
Alcino Morgado, chefe de gabinete do presidente da autarquia de Almeida, disse esta tarde à Lusa que os habitantes entraram nas instalações “com o propósito de pedir informações sobre qual vai ser o futuro, a partir de amanhã [quarta-feira]”. “O grande receio é o de que amanhã [quarta-feira] cheguem aqui e vejam o balcão encerrado. Querem a garantia de que continua a funcionar”, disse por telefone à Lusa, quando se encontrava no interior da agência da CGD.
Segundo o responsável, as pessoas que participam no protesto pacífico “estão determinadas” a permanecer no local “até que haja notícias” da reunião de hoje.
Alcino Morgado disse que a presença dos habitantes no interior e no exterior das instalações da CGD da vila histórica de Almeida, no distrito da Guarda, é “ordeira e tranquila” e que o ambiente é “calmo”.

Comentar

. logged in para comentar.

Artigos relacionados

SiteLock

Voltar para o topo

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close