Balanço mundial indica que pandemia já provocou 3.419.488 mortos

A pandemia de covid-19 já fez pelo menos 3.419.488 mortos em todo o mundo desde que foi detectado o primeiro caso no final de 2019, segundo um balanço da AFP com base em dados oficiais.  Mais de 164.805.270 infecções foram oficialmente diagnosticadas desde Dezembro de 2019, quando foram detectados os primeiros infectados, na China.

Estes números têm como base balanços comunicados todos os dias pelas autoridades sanitárias de cada país, mas excluem as revisões realizadas posteriormente pelos organismos estatísticos de países como a Rússia, Espanha ou Reino Unido.

Na quarta-feira lamentaram-se mais 13.774 mortos e registaram-se 646.174 novos casos em todo o mundo. Os países onde se registou o maior número de óbitos foram a Índia, com mais 3.874 mortos, o Brasil (2.641) e os Estados Unidos (648). Os Estados Unidos são o país mais afectado tanto em número de mortes como de casos, com 587.874 óbitos e um total de 33.026.741 contágios, de acordo com a contagem da Universidade Johns Hopkins.

Depois dos Estados Unidos, os países mais afectados são o Brasil, com 441.691 mortos e 15.812.055 casos, a Índia, com 287.122 mortos (25.772.440 casos), o México, com 220.850 mortos (2.387.512 casos) e o Reino Unido, com 127.694 mortos (4.452.527 casos).

Entre os países mais tocados pela doença, a Hungria é o que lamenta o maior número de mortos em relação à população, com 304 óbitos por 100 mil habitantes, seguido pela República Checa (280), Bósnia (277), a Macedónia do Norte (252) e a Bulgária (250). 

A Europa totaliza até hoje 1.116.560 mortos e 52.537.114 casos, a América do Latina e Caraíbas 993.635 mortos (31.281.754 casos), os Estados Unidos e Canadá 612.920 mortos (34.367.074 casos), a Ásia 428.996 mortos (33.523.606 casos), o Médio Oriente 139.052 mortos (8.327.964 casos), a África 127.246 mortos (4.720.903 casos) e a Oceânia 1.079 mortos (48.856 casos).

Desde o início da pandemia, o número de testes realizados aumentou e as técnicas de despistagem da doença foram melhoradas, fazendo aumentar o número de contaminações declaradas oficialmente. Mesmo assim, o número de diagnósticos não reflecte mais do que uma fracção do total real de contaminações porque os casos menos graves ou assintomáticos não são detectados. 

Este balanço foi realizado a partir de dados recolhidos pelas delegações da AFP junto das autoridades nacionais competentes e pelas informações da Organização Mundial da Saúde (OMS). Devido a correcções realizadas pelas autoridades ou às publicações tardias, os números relativos aos aumentos nas últimas 24 horas podem não corresponder exactamente aos que foram publicados no dia anterior.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close