BE apresentou candidatos à Assembleia Municipal e Freguesia da Guarda

Marco Loureiro, actual coordenador distrital do Bloco de Esquerrda (BE), é o candidato à Assembleia Municipal da Guarda e Sónia Fonseca, independente, lidera a lista à Freguesia da Guarda. O anúncio foi feito na passada Segunda-feira por Jorge Mendes, que é o candidato do BE à Câmara da Guarda.
Eleger mais deputados e reforçar a votação no BE é o objectivo do BE nas próxima autárquicas, afirmou Marco Loureiro, de 36 anos, empresário na área de gestão de eventos e restauração. Há quatro anos foi o cabeça-de-lista à Assembleia Municipal, tendo agora trocado o lugar com Bruno Andrade, que deverá também ir na lista, possivelmente na segunda posição.
O candidato do BE à Assembleia Municipal espera que sejam eleitos, pelo menos, três deputados, relembrando que nas últimas autárquicas o partido ficou a apenas 170 votos de eleger mais um representante. Marco Loureiro lamenta que a Assembleia Municipal seja «um órgão menosprezado mas que tem a sua importância que, no geral, as pessoas não sabem». Defende, por isso, que será necessário reforçar os poderes da Assembleia Municipal, aproveitar os mecanismos da lei para posicionar o poder autárquico a ter outra visão para a cidade». Se for reeleito, promete apresentar naquele órgão projectos nas áreas dos transportes e da cultura.
Pela primeira vez, o BE apresentar-se a votos para a Junta de Freguesia da Guarda, tendo escolhido Sónia Fonseca para enfrentar esse desafio. Tem 31 anos, é formada em design de equipamento e trabalha como gerente de loja de uma multinacional. Apesar de se assuimir como independente, assegura que tem estado atenta ao que se passa na cidade e no concelho. Esclarece que «não é uma candidatura para preencher um lugar», garantindo que estará na rua a «apresentar iniciativas e projectos que dêem relevo à concretização do direito à mobilidade». «Defender o ambiente e o espaço público será outra das lutas», acrescentou. Considera que «não é admissível» que alguém se sinta no direito de «poluir e contaminar bens e recursos comcuns, seja qual for o argumento». «As juntas e as autarquias têm que dar o exemplo decisivo na fiscalização e combate às fontes de poluição, na preservação dos rios e das florestas, da qualidade do ar e da água», salientou Sónia Fonseca, acrescentando que, «infelizmente, isto acontece nos rios Diz e Noéme».

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close