Bom tempo

No dia em que escrevo estas linhas, a 21 de março, estamos já na Primavera. Esta estação inicia-se com o equinócio da, claro está, Primavera.

Segundo o Observatório Astronómico de Lisboa, a palavra equinócio deriva da palavra de origem latina aequinoctium, composta por aequus (igual) com o substantivo noctium, genitivo plural de nox (noite). No fundo, a palavra equinócio pretende transmitir a ideia de que a noite seria igual ao dia, neste caso em termos de duração. Ainda que o fenómeno natural subjacente a esta data motive desde há séculos povos a celebrar, a mesma página do Observatório Astronómico de Lisboa demonstra porque é que, na realidade, esta assunção não corresponde integralmente à verdade. É uma leitura interessante e que recomendo a todos1.

Ora, de qualquer forma, é a partir desta altura do ano que as horas de dia do dia (não é gralha, simplesmente não encontrei nenhum outro termo que defina tão precisamente a parte do dia em que o Sol está acima do horizonte para além do termo que também designa o dia como um todo) superam as horas de noite.

A Primavera é tipicamente associada a temperaturas mais amenas e a uma época mais colorida muito pelo florir das flores. Contudo, ao acordar hoje e ao olhar pela janela, ao ir a pé para o trabalho ou mesmo ao escrever esta crónica com o radiador a óleo ainda ligado, confirmo que a realidade não se compagina assim tanto com esta designação genérica. Está cinzento, está frio, está chuva. Inicial e puerilmente, até se pode pensar que está “mau tempo”. Mas estará mesmo?

Basta pensar na água. Uma pesquisa rápida confirma o que a observação espontânea mostrou ao longo dos últimos meses: tem chovido muito pouco. E isso repercute-se em várias dimensões. Por exemplo, uma notícia de 23 de fevereiro do Expresso2 dava nota da limitação da produção de energia hídrica nas barragens portuguesas até ao Outono, dado que a prioridade é o abastecimento humano. Parecia algo impensável e longe do nosso imaginário, com um toque quase absurdo. Ter de ponderar o uso de água para assegurar o consumo humano. Mas os últimos tempos vieram demonstrar que coisas tidas como impensáveis podem materializar-se muito rapidamente.

Mas, voltemos à água. A sua falta tem levantado problemas na agricultura e na pecuária, como várias notícias dos últimos meses atestam. Na energia, comparativamente a semelhante período do ano passado, a produção elétrica nas barragens portuguesas desceu 73%3. A energia hídrica, como a eólica ou fotovoltaica, são fontes renováveis que permitem diminuir a dependência de energia relativamente a outros países, nomeadamente a Rússia, país cuja energia é uma das suas maiores forças – basta ver que a Alemanha, no momento em que eclodiu a guerra que desde há décadas mais ameaça o projeto europeu, admitiu não ter como substituir de imediato o gás russo. Como se costuma dizer, anda tudo ligado.

Provavelmente, o parágrafo anterior, que foi lançado pela observação casual de um dia de chuva e terminou em causas geopolíticas de uma guerra, representa um raciocínio exagerado e demasiado simplista. De qualquer forma, acho que é seguro afirmar que, excluindo a nossa sensação subjetiva (e egoísta?) de que a chuva na cabeça pode ser desagradável e que caminhar com os pés ensopados e enregelados é desconfortável, está efetivamente “bom tempo”.

1 https://oal.ul.pt/equinocio-da-primavera-2022/

2 https://expresso.pt/sociedade/2022-02-23-seca-producao-hidroeletrica-so-deve-voltar-a-normalidade-no-outono

3 https://eco.sapo.pt/2022/02/28/eletricidade-gerada-em-barragens-caiu-73-este-ano/

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close