Bombeiros admitem usar «machado da paz para fazer a guerra»

O presidente da Liga dos Bombeiros Portugueses (LBP), Jaime Marta Soares, avisou Domingo que os bombeiros, apesar de serem os “soldados da paz”, estão dispostos a «desenterrar o machado da paz para fazer a guerra». «Não o desejo e os bombeiros também não o querem e por favor evitem que tenhamos de o fazer», disse nas come-morações do Dia Nacional do Bombeiro, em Cascais, depois de ter desfilado um rol de exigências que o Governo não tem satisfeito.
«Porque é que os poderes públicos não respondem favo-ravelmente às propostas que lhe são apresentadas pela Liga?», questionou Jaime Marta Soares, perante bombeiros mas também perante a ministra da Adminis-tração Interna, Constança Urbano de Sousa, e o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.
Marcelo Rebelo de Sousa falou durante breves minutos apenas para dizer que o fazia com «emoção e orgulho», orgulho de ser Presidente «de uma pátria que tem os melhores bombeiros do mundo». Constança Urbano de Sousa também elogiou o papel dos bombeiros e salientou a sua importância, mas não respondeu a qualquer crítica ou exigência da Liga.
A lei de financiamento e as declarações do secretário de Estado da Administração Interna, Jorge Gomes, sobre a comparticipação aos voluntários que integram o combate aos incêndios são alguns dos motivos do descontentamento dos bombeiros. Foi durante a apresentação do Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Florestais (DECIF) no par-lamento que o secretário de Estado afirmou que a comparticipação aos bombeiros que integram o DECIF vai manter-se nos 45 euros por dia, sublinhando que um bombeiro recebe, ao final do mês, 1.350 euros, montante que totaliza uma despesa para o Estado de 22 milhões de euros por ano.
Estas afirmações de Jorge Gomes geraram revolta em algumas corporações de bombeiros, que exigem um pedido de desculpas, uma vez que o secretário de Estado omitiu que os bombeiros não podem ser escalados 24 horas consecutivas durante 30 dias seguidos.
Outro dos motivos de descontentamento relaciona-se com a lei de financiamento às associações humanitárias de bombeiros, aprovada em 2015 pelo anterior Governo PSD/CDS-PP.
Apesar do financiamento se manter nos 25,7 milhões de euros de 2016, este ano há 210 corporações de bombeiros que vão receber menos dinheiro, enquanto outras 203 viram o seu orçamento aumentado.
Com esta lei, o financiamento às corporações de bombeiros passou a ser feito de acordo com critérios assentes no risco e na atividade dos corpos de bombeiros, como índice do risco de incêndio, número de ocorrência, população, área geográfica e número total de operacionais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close