Bombeiros de Fornos de Algodres sem meios para substituírem viatura que ardeu

A Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Fornos de Algodres (AHBVFA) não dispõe de meios financeiros para adquirir uma viatura que substitua a que ardeu, no sábado, durante o combate a um fogo no concelho da Guarda.

O presidente da AHBVFA, Fernando Rodrigues, disse hoje à agência Lusa que a instituição não tem dinheiro, “nem hipótese de comprar um carro novo”.

“É mais uma dor de cabeça para uma associação do interior [do país], porque nós não temos dinheiro, nem hipótese de comprar um carro novo, nem em segunda mão, para já. Portanto, se não houver solidariedade de quem tutela, nós vamos ficar sem menos um carro”, referiu, indicando que uma viatura nova custa na ordem dos 150 mil euros.

Segundo o dirigente, o veículo de combate a fogos florestais que ardeu, no sábado, no combate a um incêndio que deflagrou na freguesia de Arrifana, no concelho da Guarda, ficou inoperacional após ter sido atingido pelas chamas.

A viatura não era nova, mas a corporação tinha-a atualizado recentemente e era muito utilizada na atividade operacional e considerada pelo comando como sendo “fundamental para o combate a incêndios”.

“É um carro que nos faz bastante falta. A nossa associação está equilibrada, está com saúde financeira, mas não para comprar um carro destes”, referiu o dirigente à Lusa, admitindo que tal só será possível “se houver ajudas”.

A direção da AHBVFA coloca a possibilidade de vir a promover uma campanha de angariação de fundos junto da população do concelho de Fornos de Algodres, no distrito da Guarda, para recolher verbas que ajudem na compra de um veículo que substitua o acidentado.

Fernando Rodrigues tem recebido algumas manifestações de solidariedade, mas explicou que ainda nada está decidido por estar a aguardar pelo resultado do inquérito ao acidente que está a ser feito pela Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil.

O presidente da AHBVFA contou que, segundo informação dos voluntários, “o vento virou de repente” e atingiu o veículo quando estava a combater as chamas.

“Só no final do inquérito é que vamos pensar melhor naquilo que vamos fazer”, vincou.

Na opinião de Fernando Rodrigues, “devia ser a tutela a resolver um caso destes [a repor o veículo acidentado]”, porque a corporação estava em missão, a combater um fogo florestal.

O incêndio que deflagrou, no sábado, às 12:21, numa zona de mato na freguesia de Arrifana, no concelho da Guarda, foi dado com extinto no Domingo. (Foto: ornalocruzeiro)

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close