Câmara de Almeida disponibiliza 40 mil euros para ajudar os agricultores mais afectados pelos incêndios

A Câmara de Almeida activou o Fundo de Emergência Municipal para apoiar os agricultores mais afectados com os incêndios florestais que atingiram o concelho há cerca de duas semanas. «Há 25 casos graves e cinco deles de uma gravidade extrema», revela o presidente, António Baptista Ribeiro, baseado nos levantamentos apresentados numa reunião que teve lugar Terça-feira da semana passada, em Almeida, entre os representantes das freguesias afectadas e técnicos da autarquia.
O apoio vai ser aplicado na totalidade naquele que é o problema com maior urgência de resposta: a alimentação dos animais, já que os agricultores ficaram com as pastagens «praticamente ardidas». «Vamos disponibilizar 40 mil euros de imediato para esses apoios», afirmou o autarca, que já previa a necessidade de activar o Fundo de Emergência Municipal no primeiro rescaldo dos incêndios.
«Nós sabíamos que isso ia acontecer porque embora não tivéssemos dados muito precisos eu próprio estive no terreno e apercebi-me da gravidade de alguns casos», justifica Baptista Ribeiro. «Não sabia concretamente quantos mas agora, depois deste levantamento exaustivo, sabemos que há 25 casos mais graves e cinco deles muito graves. Depois haverá outros, naturalmente, de menor gravidade, mas não lhe demos prioridade. Primeiro serão os mais urgentes e depois será feito um levantamento durante as próximas duas semanas», adianta.
O autarca acredita que «estamos em condições na Segunda ou Terça-feira [início desta semana] de já atribuir os primeiros apoios. Depois os outros, não são de tanta gravidade, serão feitos ao longo da outra semana».
É para já impossível adiantar um valor concreto sobre os prejuízos causados pelos incêndios florestais no concelho, mas Baptista Ribeiro não tem dúvidas que serão «milhares de euros». «Estamos a falar de prejuízos muito avultados mas o nosso Fundo [de Emergência Municipal] só o vamos activar para ajuda em alimentação para os animais, porque depois a nível de outros prejuízos, sejam eles nas vedações ou inclusivamente o armazém que ardeu, de umas centenas ou milhares de metros de mangueiras que se queimaram, principalmente aqueles que tinham as explorações junto à Ribeira das Cabras, e que abasteciam a partir daí, esperemos que haja outros apoios para esses fins», esclarece.
«Esses prejuízos estão a ser levantados. O que fizemos foi o levantamento da área ardida, só no concelho de Almeida arderam mais de 3 mil hectares, e há prejuízos avultados a nível das pastagens, mas a nossa preocupação maior tem a ver com a alimentação dos animais porque houve agricultores que ficaram com as pastagens destruídas, conclui Baptista Ribeiro.
GM

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close