Câmara da Guarda aprova orçamento de 43,5 ME para 2017

A Câmara da Guarda aprovou hoje o orçamento municipal para 2017, no valor global de 43,5 milhões de euros, plano que é considerado realista e de rigor pelo seu presidente e criticado pela oposição socialista.
“É um orçamento marcadamente social, mas com uma forte tendência de apoio ao investimento”, referiu o presidente da autarquia, Álvaro Amaro, (PSD/CDS-PP), na reunião do executivo municipal onde o documento foi aprovado por maioria com os votos contra dos dois eleitos do PS.
O autarca sublinha que o orçamento, no valor global de 43,5 milhões de euros, incluindo 6,6 milhões dos Serviços Municipalizados, alivia a carga fiscal das famílias e das empresas do concelho, porque contempla a redução do Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) e a diminuição em 02% das tarifas de água, saneamento e de resíduos sólidos urbanos.
Os dois vereadores do PS, Joaquim Carreira e Graça Cabral, votaram contra o orçamento para 2017 por ser “uma cópia dos anos anteriores” e por ser “mais do mesmo”.
Joaquim Carreira explicou que o documento continua a prever “um aumento significativo dos impostos directos” e não apresenta “novidades nem inovação”. “Aquilo que vemos e lemos é que falta investimento em economia reprodutiva”, disse o vereador socialista.
O autarca Álvaro Amaro refere na nota introdutória que “é um orçamento da responsabilidade política, do cumprimento ético da boa gestão dos fundos públicos, que reforça a confirmação de um trabalho de recuperação económico-financeira do Município da Guarda que volta, finalmente, a ter a notoriedade institucional face aos compromissos e obrigações perante as instituições, empresas e cidadãos”.
A recuperação e remodelação das vias de comunicação urbanas e interurbanas, a regeneração urbana, a aposta nas áreas rurais com novas obras e repavimentação das vias e a revisão do PDM – Plano Director Municipal, são algumas das apostas para 2017.
O “reforço da Guarda como cidade educadora”, o apoio às famílias através da acção social escolar e o desenvolvimento de mais acções de natureza solidária e de combate à pobreza e exclusão social, são também intenções da autarquia.
Em 2017, o município da cidade mais alta do país também pretende reforçar o apoio às associações do concelho e apostar na cultura e na promoção de grandes eventos multidisciplinares com impacto em retorno económico e mais fluxos turísticos, como são a Feira Ibérica de Turismo, a Feira farta e a Guarda Cidade Natal.

Comentar

. logged in para comentar.

Artigos relacionados

SiteLock

Voltar para o topo

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close