Câmara da Guarda aprova três de 11 competências a transferir do Estado central

A Câmara Municipal da Guarda aprovou hoje, por unanimidade, três das 11 competências no âmbito do processo de descentralização e chumbou os restantes oito diplomas do Governo. A decisão foi tomada esta tarde na reunião quinzenal do executivo presidido pelo social-democrata Álvaro Amaro e deverá ser ratificada na reunião extraordinária da Assembleia Municipal marcada para Quarta-feira.

As três transferências de competências aprovadas pelo município da Guarda são no domínio da habitação, da gestão de lojas do cidadão e de espaços do cidadão, instituição e gestão de gabinetes de apoio aos emigrantes e instituição e gestão dos Centros Locais de Apoio e Integração de Migrantes, e da gestão do património imobiliário público.

Segundo o presidente da autarquia, as três competências foram aprovadas por não envolverem «custos nem mexidas na orgânica» do município. A gestão do património imobiliário do Estado é justificada por se tratar de «um pequeno avanço». «Vamos assumi-la porque, se quisermos algum património [imobiliário] do Estado temos aqui um pequeno instrumento» para o fazer, justificou Álvaro Amaro durante a discussão do assunto.

Em relação ao domínio da gestão de lojas do cidadão e de espaços do cidadão, instituição e gestão de gabinetes de apoio aos emigrantes e instituição e gestão dos Centros Locais de Apoio e Integração de Migrantes o autarca justificou a aceitação com o facto de não ser «preciso grande alteração» para a autarquia continuar a fazer esse trabalho, disse.

Por último, no tocante ao sector da habitação, o autarca da Guarda admite que a aceitação de competências representa «uma boa oportunidade» para resolver o problema da habitação social existente no Bairro da Fraternidade.

Em relação às competências rejeitadas, disse que é por «desconhecer as despesas que originam para o município». Com a rejeição, explicou que a ideia é que o município da Guarda tenha «dois anos para estudar cada um dos diplomas e adaptar a Câmara a cada um».

«A apreciação geral sobre o processo em si, o conjunto de implicações financeiras, humanas e organizacionais, a ausência de conhecimento sobre as matérias a transferir, as condições e as suas implicações (só descortináveis com a publicação de cada um dos Decretos-Lei), conduzem a que, responsavelmente e na defesa dos interesses, quer da autarquia, quer da população, o município não deva assumir, a partir de 01 de Janeiro de 2019 toda a universalidade das novas competências», argumenta a autarquia na proposta.

O município da Guarda concorda ainda com a recepção, pela Comunidade Intermunicipal das Beiras e Serra da Estrela, das competências no domínio da promoção turística interna sub-regional, dos projectos financiados por fundos europeus e programas de captação de investimento, e rejeita a recepção «das restantes competências já regulamentadas».

O vereador do PS Pedro Fonseca votou a favor da proposta apresentada pela presidência social-democrata da autarquia, por ser «um acérrimo defensor» da descentralização e da regionalização.  No final de reunião, o socialista disse aos jornalistas que a autarquia «não aceitar mais competências é uma oportunidade perdida».

Comentar

. logged in para comentar.

Artigos relacionados

SiteLock

Voltar para o topo

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close